Alckmin lidera com vantagem de 39 pontos sobre Mercadante

Alckmin lidera com vantagem de 39 pontos sobre Mercadante

Pesquisa Datafolha divulgada ontem mostra ex-governador favorito em todos os cenários para o governo de SP

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2010 | 00h00

Será na condição de favorito que o secretário de Desenvolvimento de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), renunciará ao cargo, na quinta-feira, para concorrer ao governo do Estado.

Segundo o instituto Datafolha, Alckmin tem 52% das intenções de voto, uma vantagem de 39 pontos porcentuais sobre o segundo colocado, Aloizio Mercadante (PT). O cenário pesquisado inclui Celso Russomanno (PP), com 10%, Fabio Feldman (PV), 3%, Paulo Skaf (PSB), 2%, e Ivan Valente (PSOL), 1%.

Sem candidato do PSB ? hipótese em que Skaf, presidente da Fiesp, apoiaria o PT ?, Alckmin chega a 53%. Se Ciro Gomes (PSB) abandonar a corrida presidencial para concorrer ao governo, começará com cerca de 10%.

O Datafolha pesquisou um cenário em que Eduardo Suplicy é o candidato do PT, no lugar de Mercadante. Suplicy teve 19%, mas ainda ontem anunciou que não vai disputar o governo.

Alckmin lidera em todas as faixas de renda, escolaridade e idade. Entre os eleitores de 16 a 24 anos, chega a 68% das intenções. Na pesquisa espontânea ? na qual os eleitores não leem a lista de concorrentes ?, a maioria (73%) não soube dizer em quem vai votar. Os mais citados foram Alckmin (7%), José Serra (6%), Mercadante (2%) e Marta (1%). O Datafolha ouviu 2.001 pessoas do Estado de São Paulo entre 25 e 26 de março. A margem de erro é de dois pontos porcentuais.

A última. No evento de inauguração da Escola Técnica de Paraisópolis, onde esteve com o governador José Serra e o prefeito Gilberto Kassab, Alckmin afirmou ser aquela "a última inauguração" de que participaria como secretário. "Recebo a informação (da liderança na pesquisa) com humildade, porque sei que o que vale é a eleição, mas também com enorme alegria", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.