Alckmin não admite que tom agressivo prejudicou campanha

O candidato à Presidência pela coligação PSDB-PFL, Geraldo Alckmin, afirmou nesta sexta-feira em entrevista ao Jornal da Record que vestiu "as sandálias da humildade" na campanha, mas não admitiu que o tom mais agressivo que utilizou no início da campanha no segundo turno prejudicou seu desempenho. "Venho desde o início com as sandálias da humildade", disse o tucano, que ressaltou sua performance no primeiro turno. "Nós vamos chegar lá", acrescentou, e ressaltou que chegou ao segundo turno apesar de as pesquisas não mostrarem chance.Alckmin afirmou que irá manter o estilo "paz, amor e trabalho". Ele não respondeu se iria voltar a atacar o presidente e candidato à reeleição Luiz Inácio Lula da Silva no próximo debate, que será realizado na segunda-feira na Record. "Eu não ataco pessoas, eu entendo que o governo não vai bem sob ponto de vista ético, foi um descalabro", e continua: "Não aprendeu com a crise". Ainda nas críticas a Lula, ele disse que "sob o ponto de vista de serviços públicos, o governo não funciona, 34 ministérios, dinheiro jogado fora; e sob o ponto de vista de crescimento, o Brasil está perdendo oportunidades, aumentando gastos e impostos e criando situação na qual os investimentos estão caindo".

Agencia Estado,

20 de outubro de 2006 | 19h50

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.