Alckmin não se opõe à criação da CPI da segurança

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) comentou que não se opõe à criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), proposta pela bancada do PT na Assembléia Legislativa, para investigar a segurança pública no Estado. Ele disse que "qualquer medida que contribua para diminuir a violência é bem vinda". "Se os deputados acham que uma CPI pode ajudar, que ela seja feita então", disse. O governador declarou, ainda, que o governo está tomando outra série de medidas que, "não são suficientes, mas ajudam no combate à violência no Estado".Entre as de maior destaque, ele salientou a possibilidade de proibição de vendas de armas para o Paraguai e, ainda, o cadastramento de todos os usuários de telefones celulares pré-pagos. "As empresas que operam a telefonia celular no Estado acreditam que pelo 90% dos usuários antigos devam responder ao apelo para o cadastramento em 90 dias", comentou. Otimista, o governador disse que, "mesmo com o incidente com o helicóptero da Polícia Militar em Hortolândia hoje pela manhã, o governo está vencendo a luta contra violência". "A cada dia vencemos uma batalha e os índices em janeiro já apontam queda em comparação a janeiro de 2001 e 2000", afirmou o governador.HelicópteroGeraldo Alckmin afirmou que "pela primeira impressão que teve", os guardas da Penitenciária de Hortolândia que atiraram em helicóptero da Polícia Militar hoje pela manhã, "agiram de acordo com as ordens que receberam". "A ordem é para atirar mesmo. Qualquer aeronave ou helicóptero que tentar se aproximar de uma unidade carcerária no estado de São Paulo será abatida. Agora precisamos verificar, especificamente neste caso, se houve erro de procedimento e quem teria sido o responsável por este erro", afirmou o governador, que esteve em Ribeirão Preto para a entrega de 569 moradias de programa habitacional iniciado na gestão passada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.