Alckmin nega irregularidade na delegacia anti-sequestro

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) rejeitou hoje as denúncias de irregularidades contra a Divisão Anti-Seqüestro (DAS) da Polícia Civil. Ele criticou o fato do denunciante não ter se identificado, nem apresentado provas que confirmem os supostos benefícios à empresa privada Guarda Patrimonial (GP), que presta serviço terceirizado e gratuito de vigilância em portarias ao DAS. "Se tem alguma irregularidade, apura-se e pune-se. Aliás, foi o governo que criou a ´via rápida´ para acelerar a punição aos maus policias", disse.Para ele, o fato de a DAS ter um serviço terceirizado "é normal e ainda não pagar nada é até bom porque o governo economiza." Segundo o governador, ter um serviço terceirizado para a segurança do prédio é melhor porque não mobiliza policiais nessa tarefa.Alckmin disse que, se for necessário, será feita uma licitação para contratar o serviço. Ele afirmou que será apurada a denúncia de suposta troca de favores entre o DAS e a GP, que teria à disposição 150 policiais e delegados para facilitar o atendimento de clientes da GP. "Isso deve ser apurado, mas quem denuncia tem o dever de mostrar a prova", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.