Alckmin prega modelo tucano para educação

Candidato diz também que pretende expandir o número de escolas que funcionam em tempo integral no Estado

Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2010 | 00h00

O candidato ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), rechaçou ontem críticas ao sistema educacional paulista, defendeu a bonificação por mérito para professores e disse que aumentará o número de escolas que disponibilizam aulas em período integral.

O tema da educação no Estado, ao lado dos pedágios, é considerado por adversários o calcanhar de Aquiles das gestões tucanas. Para rebater as críticas, Alckmin vem ressaltando, em suas entrevistas e discursos, os números do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) no Estado. São Paulo foi primeiro lugar da 5ª à 8ª séries e segundo da 1ª à 4ª séries.

No Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), contudo, apenas duas escolas públicas figuraram entre as 10 melhores no Estado ? e só admitem alunos por vestibular.

"Eu sou favorável a concurso público e carreira, mérito e aumento", disse o tucano em entrevista à Rádio Bandeirantes, na capital paulista "Quem ultrapassar o benchmark recebe dois, três salários no fim do ano para a equipe, o que estimula o mérito e os resultados."

Alckmin disse também que pretende expandir o número de escolas que funcionam em tempo integral no Estado. Hoje são cerca de 500. "Vamos implantar segundo período com reforço escolar, informática, segunda língua e atividade esportiva."

O discurso cauteloso do tucano, após duas pesquisas de intenção de voto divulgadas nesta semana, que o colocaram vitorioso no primeiro turno, mantém-se em voga. Ele se esquiva de entrar em polêmicas. Quando indagado sobre a insatisfação de servidores com salários ? que motivou um período de greve envolto em polêmicas sobre uso político da categoria em período de pré-campanha ?, preferiu discursar sobre um melhor aproveitamento do ensino médio e técnico.

"É preciso tornar a escola mais atrativa, porque tem aluno querendo trabalhar, ganhar dinheiro. O ensino técnico ajuda muito", afirmou. O candidato tucano disse que pretende abrir escolas de ensino médio à noite para cursos técnicos, o que garantiria dois diplomas para os alunos.

Sobre as greves e conflitos na USP, Alckmin afirmou que pode "até rediscutir" a autonomia administrativa da instituição, mas que confia no reitor João Grandino Rodas para solucionar impasses futuros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.