Alckmin prepara reação à ofensiva petista no ABC

O PSDB começou a traçar uma estratégia de contra-ataque às investidas do PT na Grande São Paulo, mais especificamente em municípios do ABC paulista, onde a campanha petista pretende formar um "cinturão vermelho" com prefeitos aliados.

Julia Duailibi, Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2010 | 00h00

Como base para as incursões, o candidato tucano ao governo paulista, Geraldo Alckmin, definiu discurso. Pretende criar uma pasta para região, a Secretaria de Desenvolvimento e Gestão Metropolitana, que ficaria responsável pelas três regiões metropolitanas do Estado: Grande São Paulo, Grande Campinas e Baixada Santista.

"Vamos fazer um esforço concentrado na região metropolitana com a presença física, caminhadas e com a ajuda dos partidos aliados", disse Alckmin ao Estado. Para dar peso à estratégia, o coordenador da campanha para a Grande São Paulo será Sidney Beraldo, que acumulará a função de coordenador geral.

Ontem, os coordenadores da campanha de Alckmin reuniram-se com prefeitos e deputados das cidades vizinhas à capital para desenhar a estratégia para a região. Está em estudo um grande comício em São Bernardo do Campo, berço do movimento sindical, com a presença de Alckmin e de José Serra.

Os tucanos farão 10 reuniões de mobilização para calibrar a agenda de Alckmin, que contará com Serra em parte dos eventos. "Vamos começar entre o fim do mês e o começo de agosto", declarou o coordenador de Mobilização do PSDB paulista, Edson Thomás. Estão previstos encontros com empresários, caminhadas e comícios. "Estamos avaliando quais os melhores eventos para criar uma agenda positiva", disse o deputado estadual Orlando Morando (PSDB-SP).

Como Alckmin tem boa inserção no interior do Estado, o PT pretende focar a campanha de Aloizio Mercadante nas cidades próximas à capital ? além de populosas, várias delas já são governadas por petistas, como Osasco, Mauá, Diadema e São Bernardo do Campo.

"Eles vêm a região metropolitana como um espaço (para crescer)", afirmou o prefeito tucano de Rio Grande da Serra, Adler Teixeira, conhecido como Kiko, que esteve na reunião de ontem. Ele contou que há cerca de dois meses foi procurado por integrantes do PT, que, na tentativa de cortejá-lo, ofereceram a inclusão de obras da cidade no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Comitês. O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), participou ontem de reunião com os coordenadores regionais da campanha de Serra e com presidentes do PSDB nos Estados. Ao ouvir apelos para que o programa de governo de Serra aborde temas regionais, ele disse que o coordenador do programa, Xico Graziano, viajará pelo País para colher as informações para pôr no documento. "Quanto mais defender projetos no padrão estadual, melhor para a campanha."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.