Alckmin prevê gastos de campanha de R$ 85 milhões

O candidato da chapa PSDB/PFL à Presidência da República, Geraldo Alckmin, disse, depois da reunião do conselho político de sua campanha, que fez uma previsão de gastos de R$ 85 milhões, junto ao Tribunal Superior Eleitoral, contabilizando despesas para os dois turnos da eleição. "Esse é um teto, mas não significa que vai arrecadar e gastar. Certamente será menos", disse Alckmin. "O importante é fazer uma campanha com menor gasto." Na reunião do conselho, que contou pela primeira vez com a presença do presidente do PPS, deputado Roberto Freire, além de dirigentes do PSDB e do PFL, foi feita uma avaliação positiva da campanha e um balanço das alianças regionais. "Por um Brasil Decente" será o nome da coligação PSDB e PFL. Na reunião de hoje começou a ser montada a agenda do candidato para até fim de julho. Amanhã, primeiro dia da campanha oficial, Alckmin estará em Florianópolis, inaugurando o palanque com o PMDB, PFL, PSDB e PPS e, à noite, ele participa de uma grande reunião de prefeitos que apóiam sua candidatura em São Paulo, com o candidato ao governo estadual, José Serra (PSDB). "Agora já podemos pedir voto", disse Alckmin. Sobre as pesquisas que apontaram o seu crescimento na preferência eleitoral, Alckmin disse que tem os pés no chão e humildade para analisar os resultados. "À medida que o povo vai me conhecendo sinto que aumenta a receptividade", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.