Alckmin procura PT para parceria com Minha Casa

Tucano encontra dirigente petista de olho em nova aproximação com governo federal e quer anunciar ação habitacional em outubro

Julia Duailibi, O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2011 | 00h00

Em mais um movimento de construção de pontes com o governo federal, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, encontrou-se anteontem no Palácio dos Bandeirantes com o presidente estadual do PT, Edinho Silva. Os dois trataram das parcerias entre as gestões federal e estadual. Em outubro, o governo tucano quer anunciar outra ação em conjunto com o Palácio do Planalto, agora na área de habitação.

O encontro entre o tucano e o petista na sede do governo paulista ocorreu depois de evento em que Alckmin anunciou mudanças na Previdência do funcionalismo público. A conversa foi articulada pelo presidente do PSDB paulista, o deputado estadual Pedro Tobias, que é colega de Edinho Silva na Assembleia Legislativa.

O "cafezinho" dos dois atende à estratégia política do governador de intensificar as pontes na área administrativa com o governo petista de Dilma Rousseff. O tucano já deu orientações aos seus secretários para que busquem mais parcerias e recursos do governo federal. Há duas semanas, recebeu Dilma em uma cerimônia no Palácio dos Bandeirantes para divulgar a unificação dos programas sociais do Estado com o Bolsa Família.

No encontro de anteontem, foi tratado do próximo projeto na pauta conjunta das duas administrações. O governador pretende anunciar no mês que vem uma parceria entre a Secretaria Estadual de Habitação e a Caixa Econômica Federal em torno da construção de moradias populares do programa Minha Casa, Minha Vida, uma das principais bandeiras sociais da era Lula.

O Estado apurou que o acordo entre os dois governos, que se dará por meio de convênio, atingirá 70 mil moradias em todo o Estado. A segunda fase do Minha Casa, Minha Vida tem como meta construir 181 mil moradias em São Paulo.

O governo estadual quer complementar em R$ 20 mil o valor de R$ 65 mil estipulado pelo governo federal como teto para os imóveis do programa. A administração Alckmin avalia que o programa federal, inserido no PAC, ainda não deslanchou em São Paulo por causa do valor do imóvel, baixo para os padrões do Estado, onde o custo de construção e o preço do terreno seriam mais altos que no resto do País.

A conversa entre petista e tucano também passou pelo anúncio que o governo do Estado fará no dia 27 de setembro sobre a criação de uma nova agência para fomentar a construção habitacional, nos moldes do BNDES.

Polêmica. A aproximação administrativa de Dilma e Alckmin levanta polêmica no PSDB e no PT. Tucanos ligados às gestões de José Serra e Alberto Goldman avaliam que a parceria esvazia o discurso oposicionista. No PT, a crítica é que, ao ajudar o Estado, Dilma fortalece os tucanos no maior colégio eleitoral do País, berço político do PSDB.

Parceria

181 mil moradias é a meta da segunda fase do Minha Casa, Minha Vida no Estado de São Paulo

70 mil unidades devem ser construídas a partir do convênio entre os governos estadual e federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.