Alckmin promete empenho para solucionar seqüestro

Terminou por volta da 0h o encontro entre o governador Geraldo Alckmin e as lideranças do PT, que discutiu o seqüestro do prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT), no ABC, e a violência no Estado. O governador disse que por enquanto só há especulações sobre o seqüestro e ainda não é possível saber se foi um crime político ou comum. Alckmin garantiu às lideranças do PT que vai se empenhar pessoalmente no caso. Na Câmara Municipal de Santo André, até o momento, a família e a equipe de governo do prefeito ainda aguardam um contato dos seqüestradores, cuja ação já completou 24 horas.A comissão petista no Palácio dos Bandeirantes tinha 13 prefeitos e 17 deputados federais e estaduais. O presidente do partido, José Dirceu, e a prefeita da capital, Marta Suplicy, participaram da reunião.?Vivemos um momento de guerra e na hora de uma guerra é preciso que todos estejam unidos, independentemente de partidos?, disse Alckmin. O governador estava acompanhado do secretário da Segurança, Marco Vinicio Petrelluzzi, e da cúpula das Polícias Civil e Militar.?Queremos ganhar essa guerra e todos os esforços serão bem-vindos?, disse o governador de São Paulo. Ele informou que a Polícia Federal ainda não entrou no caso, mas observou que também essa ajuda será importante. Alckmin informou que todos os recursos da PM e da Polícia Civil ? homens, helicópteros, carros da Rota e do Tático Móvel ? trabalhariam na madrugada de hoje para tentar localizar os seqüestradores do prefeito.Petrelluzzi prometeu proteção especial a todos os prefeitos do PT que pedirem segurança. ?Chegamos a designar agentes para mais de 20 prefeitos petistas, quando eles foram ameaçados por cartas anônimas, mas o esquema foi relaxado depois?, disse. Celso Daniel, segundo o secretário, não pediu proteção. O seqüestro deixou a prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, indignada. ?A capital chegou no limite de tolerar, de conviver com essa onda de violência e seqüestro. Providências mais sérias têm de ser tomadas. O governador Geraldo Alckmin tem de agir. Ninguém agüenta mais?, desabafou Marta, em Santo André.Alckmin não quis rebater as afirmações da prefeita. ?Não vou fazer debate político sobre isso?, afirmou. Em Barretos, no interior do Estado, o governador disse, de tarde, que estava em contato permanente com o secretário de Segurança Pública, Marco Vinicio Petrelluzzi, sobre o seqüestro do prefeito. ?Lamento o seqüestro de Celso Daniel. A polícia toda está empenhada e estamos fazendo todo o esforço para resolver rapidamente o caso.?Marta elogiou a iniciativa do ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, de pôr a Polícia Federal na apuração do caso. ?Os criminosos terão de pagar?, disse o ministro em Guapiaçu, a 450 quilômetros de São Paulo. Aloysio esteve em visita à cidade, com Alckmin. O ministro disse que a PF não está assumindo o caso. ?Está trabalhando em colaboração com a PM. Estamos mobilizando as melhores cabeças para solucionar este caso o mais rápido possível.?A entrada da PF na apuração, segundo ele, deve-se ao fato de haver hipótese de crime político. ?Temos de agilizar as ações e evitar o pior?. O ministro afirmou ainda que a Justiça terá de ?endurecer?.EsclarecimentoO grupo Estado tem por norma não divulgar crime de seqüestro, a pedido da família, quando a divulgação de informações possa pôr em risco a vida da vítima. Ainda que não as publique, continua apurando dia a dia as informações sobre o caso. Isso ocorreu recentemente no seqüestro da filha de Silvio Santos, Patrícia Abravanel. No caso de Celso Daniel, a família fez apelo para que as informações fossem divulgadas e o PT está pedindo para que os seqüestradores entrem em contato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.