Alckmin promete obras para Estados comandados pelo PSDB e PFL

O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, adotou estratégia de regionalizar sua campanha durante o horário eleitoral gratuito na televisão, citando parcerias com governadores do PSDB e do PFL. Alckmin prometeu prioridades para obras em alguns Estados comandados por políticos de sua coligação (PSDB-PFL) como a Bahia, do governador Paulo Souto (PFL), Pernambuco, do governador Mendonça Filho (PFL), Minas Gerais, do governador Aécio Neves (PSDB), além do município de Rio de Janeiro, do prefeito César Maia (PFL). Ele aproveitou para criticar o estado dos metrôs de Salvador e Recife, serviços que contam com a participação federal, e prometeu melhorias para as duas cidades.Alckmin começou seu programa mostrando propostas da campanha eleitoral de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002 à Presidência, como uma reforma tributária e melhorias em hospitais e postos de saúde, para concluir que "Lula não cumpriu" o que prometeu. Em seguida, apontou obras que o candidato do PT citou em seu programa eleitoral "que nem existem", como a refinaria de Pernambuco e o metrô de Fortaleza. O tucano mostrou novamente a BR-316, no trecho entre o Maranhão e o Pará, para mostrar "o péssimo estado de conservação" da rodovia. "O governo Lula abandonou as nossas estradas", atacou um apresentador.Já Lula citou em seu programa as realizações de seu governo como o Bolsa- Família e o ProUni, além de medidas para equilibrar a economia, aumentar o emprego e melhorar os salários, para completar que "como fez tudo isso e tem propostas para fazer muito mais, é um candidato que não precisa agredir os adversários". Lula disse que resolveu concorrer à reeleição por acreditar que pode fazer um governo "ainda melhor" e para "evitar que muitas obras e programas importantes sejam interrompidos".O petista citou a auto-suficiência em petróleo e prometeu a auto-suficiência em gás para 2009, além de destacar o biodiesel. Por fim, ele enfatizou também as melhorias na economia brasileira, como a quitação da dívida com o FMI, o saldo da balança comercial e o aumento dos salários, recordes na arrecadação federal, o crescimento da indústria e das micro empresas."Vou continuar o que está certo, corrigir o que está errado, e fazer o que não foi feito", conclui o presidente.Heloísa Helena, candidata do PSOL, disse que possui propostas para "promover desenvolvimento econômico com inclusão social" e pediu votos em seu curto programa. O candidato do PDT, Cristovam Buarque, acusou Lula de ter incorporado seu tema de "revolução pela educação" ao programa do petista por interesse eleitoral. "Nossa educação está doente, mas não é aspirina em véspera de eleição que vai curá-la", criticou Cristovam.

Agencia Estado,

12 de setembro de 2006 | 15h52

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.