Alckmin promete seguir investigando corrupção se for eleito

O candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, prometeu seguir investigando casos de corrupção do atual governo se for eleito sucessor de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). "Claro que vou", disse, em resposta a uma pergunta durante entrevista coletiva em Santa Maria, na região central do Rio Grande do Sul, pouco antes de participar de um comício com a candidata do seu partido ao governo do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, no final da tarde deste sábado. "É obrigação de todos nós combater a corrupção", comentou. "A mãe da corrupção é a impunidade", afirmou.No discurso para cerca de duas mil pessoas, Alckmin reiterou que o Brasil não pode perder tempo e ficar mais quatro anos convivendo com escândalos de corrupção. "O governo do PT não merece mais quatro anos", disse.Alckmin também criticou o governo atual "por manter o real elevado artificialmente" e assegurou que em sua gestão o câmbio será mais competitivo sem deixar de ser flutuante. "A minha fórmula é menos juros, menos impostos e câmbio mais competitivo", ressaltou.O candidato tucano considerou que, apesar da vantagem de Lula nas pesquisas, tem um curva ascendente de intenções de voto que o fará ganhar a eleição. Também agradeceu a vitória que os tucanos tiveram no primeiro turno no Rio Grande do Sul e os índices superiores a 60% dos votos válidos que ele e Yeda têm nas pesquisas para o segundo turno. Ao final, prometeu parceria do governo federal para desenvolver a metade sul do Rio Grande do Sul com programas nas áreas da agricultura, pecuária, segurança e ciência e tecnologia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.