Alckmin reafirma empenho da polícia paulista

O governo paulista não pretende entrar em polêmica nem rebater críticas sobre a política de segurança estadual. Hoje, o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) reafirmou que a polícia "está trabalhando" e fazendo um "esforço grande" no combate à criminalidade.Sobre o "fogo amigo" contra o helicóptero da PM, ontem, em Hortolândia, Alckmin disse que houve um erro de procedimento. "Está sendo apurado e será corrigido. Mas a determinação do governo permanece: se o helicóptero tentar pousar em penitenicária, é para atirar", afirmou.Alckmin comentou ainda a declaração do general Alberto Cardoso, chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. Cardoso sugeriu que fossem canceladas as folgas e licenças de policiais, para reforçar a segurança. "Não tem nenhuma folga e eu não vou criar polêmica. A polícia está toda trabalhando."O governador lembrou que pediu regime de urgência na votação de quatro projetos enviados à Assembléia Legislativa. Ele disse que, apesar de ter apontado a relevância desses projetos de lei, não pode interferir na tramitação. "Já falei com o Feldman qual é a nossa prioridade, mas não vou definir ordem do dia", disse Alckmin, referindo-se ao presidente da Assembléia, Walter Feldman.Para Alckmin, a reação da bancada de oposição, que demonstrou resistência na urgência de votação, é natural. "Não vejo resistência. Acho natural que os deputados queiram aperfeiçoar e modificar os projetos", disse. Os quatro projetos de lei enviados são os seguintes: lei das recompensas, o da contratação dos estagiários, o do registro para identificar celular pré-pago, e o do regime de disciplina da PM, dando mais rapidez à Corregedoria.Alckmin participou hoje da posse do novo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Sérgio Augusto Nigro Conceição, e da cerimônia de instalação do ano judiciário. O evento ocorreu no Palácio da Justiça. Pela manhã, Alckmin recebeu o secretário Nacional Antidrogas, Paulo Roberto Uchôa, e o presidente da OAB-SP, Carlos Aidar, no Palácio dos Bandeirantes.Uchôa apresentou para o governador a política nacional antidrogas, aprovada em dezembro pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. Uchôa, que amanhã assina convênio com a União de Vereadores de São Paulo (Uvesp), disse que aproveitou o encontro com Alckmin para reafirmar a importância da instalação de conselhos municipais antidrogas.Em todo o Estado, segundo Uchôa, das 645 cidades, apenas 66 possuem os conselhos, que são vinculados ao Conselho Estadual de Entorpecentes. O governo paulista acredita que até o final do ano conseguirá implantar os conselhos municipais em todas as cidades paulistas. "O convênio com a Uvesp tem por objetivo estimular os prefeitos através da ação dos vereadores", disse Uchôa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.