Alckmin se inspira em Lula para criar conselho

Modelo de conselho de desenvolvimento econômico e social é semelhante ao da Presidência e visa a aproximar governo estadual da sociedade civil

Julia Duailibi, O Estado de S.Paulo

18 Novembro 2010 | 00h00

A exemplo do que fez o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), estuda um modelo de conselho de desenvolvimento econômico e social para implantar no Estado.

Técnicos da equipe de transição levantaram os tipos de conselho em funcionamento, como o CDES, ligado à Presidência da República, para que sirvam de ponto de partida para uma modelagem a ser instituída no governo estadual.

Com a iniciativa, os tucanos pretendem aumentar a interlocução com setores da sociedade civil, como empresários e, principalmente, com sindicatos de trabalhadores. Avaliam que essa é uma das áreas em que o PSDB não conseguiu avançar nos últimos anos e na qual tem perdido cada vez mais espaço para os adversários, como o PT.

O tipo de modelo a ser adotado - se será um conselho vinculado a uma secretaria ou diretamente ao gabinete do governador - ainda não está definido. Caberá a Alckmin, com base nos estudos, tomar a decisão final.

Em encontro anteontem na sede da transição com a bancada de parlamentares do PPS e com os presidentes do partido, Alckmin afirmou que estava analisando a iniciativa e que a considerava uma medida importante.

Os aliados levaram ao governador eleito um documento com propostas para a nova administração, no qual mencionam a criação de "um espaço de interação entre a sociedade e o governo, onde possam interagir em uma plenária que unifique uma visão comum para o desenvolvimento nos próximos anos".

Criado por Lula em 2003, o CDES é composto por 88 representantes da sociedade civil e por 17 ministros. No governo federal, houve questionamentos sobre a eficácia do conselho, que tem como principal atribuição ser um órgão "consultivo" do presidente. Mas, ao lançar o núcleo, Lula pretendia principalmente sinalizar abertura para o diálogo com a sociedade.

Na linha de aumentar a interlocução com a sociedade civil, estuda-se na transição ceder a Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho para algum representante do sindicalismo. O PPS, que hoje participa do governo com a Secretaria da Habitação, poderia ficar com a pasta. Alckmin também tem boa relação com o deputado Paulinho, da Força, mas ainda não teve uma conversa oficial com o PDT, parte da base aliada de Lula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.