Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Alckmin também defende criação de presídios federais

O governador Geraldo Alckmin defendeu nesta terça-feira a criação de um sistema penitenciário federal para manter presos como Fernandinho Beira-Mar. O governador lembrou que há dois anos levou ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso uma proposta para que o governo federal construísse e administrasse um presídio para abrigar detentos como o traficante carioca. "Esses presos não devem ficar em presídios comuns. Mas hoje não temos nenhum administrado pelo governo federal."Alckmin disse ainda que não considera razoável que o Estado de São Paulo venha a receber o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. "Não nos foi solicitada (a transferência de Beira-Mar para São Paulo) e não nos parece razoável a vinda dele. Nós já temos número grande de presos de alta periculosidade no Estado", argumentou. Alckmin afirmou que São Paulo constantemente é citado, quando transferências como a de Beira-Mar são cogitadas, porque detém o presídio mais seguro do País, o de segurança máxima de Presidente Bernardes. Nesta segunda-feira, o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, citou presídios de São Paulo, Brasília e do Acre como possíveis destinos de Beira-Mar.Alckmin disse ainda que o episódio ocorrido nesta segunda-feira no Rio de Janeiro mostra a gravidade da situação da questão de segurança pública no Brasil. Para ele, se faz necessário realizar investimentos em três linhas. "É preciso investir na área social, ou seja, nas causas, além de prender e investir no sistema penitenciário", afirmou.O secretário de Administração Penitenciária, Nagashi Furukawa, afirmou que cada Estado deve cuidar de seus presos. "Não é razoável a vinda de Beira-Mar para São Paulo", disse, admitindo, no entanto, que o Estado tem condições de receber um preso como Bei ra-Mar. "A vinda dele para Presidente Bernardes imporia à população de lá um ônus, uma sensação de insegurança provocada por alguém que cometeu um crime em outro Estado", afirmou. Assim como o governador, o secretário defendeu a construção de presídios federais. Para o secretário de Segurança Pública, Saulo de Abreu Castro Filho, SãoPaulo "já tem bandidos o bastante". "Mas se ele tiver de vir, que venha."

Agencia Estado,

25 de fevereiro de 2003 | 16h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.