Alckmin troca Twitter por churrasco beneficente

Para manter contato com o eleitor, pré-candidato tucano ao governo de São Paulo aposta em eventos populares como rodeios e festas religiosas

Silvia Amorim, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2010 | 00h00

Ex-governador e nome do PSDB para disputar o governo de São Paulo, Geraldo Alckmin tem ocupado o seu "sabático", como ele mesmo definiu o período em que espera o anúncio de sua pré-candidatura, com uma agenda popular. Festa de rodeio, evento religioso e churrasco beneficente são alguns dos compromissos do tucano.

A grande festa para confirmar o ex-governador na corrida estadual ainda não tem data marcada. Inicialmente estava prevista para o dia 29, mas foi descartada e agora o partido cogita a primeira semana de maio.

Embora oficialmente não seja ainda pré-candidato, Alckmin já se comporta como tal - e há muito tempo. A diferença agora é que, sem o cargo de secretário de Desenvolvimento do governo José Serra, por força da lei eleitoral, o político tem recorrido a outros tipos de eventos, que não inaugurações ou anúncios de obras públicas, para visitar o interior e não cair no esquecimento do eleitorado até o início formal das campanhas, em julho.

O acordo de Alckmin com o PSDB era usar os primeiros dias fora da secretaria para ajudar na organização do anúncio da pré-candidatura presidencial de Serra, em Brasília, no último dia 10. Depois disso, ficaria liberado para trabalhar na disputa estadual.

A temporada de dedicação exclusiva à própria campanha começou na semana passada com um evento que simboliza o que serão as próximas semanas até o lançamento da pré-candidatura.

Um dia depois de prestigiar Serra em Brasília, Alckmin viajou até Laranjal Paulista, a uma hora e meia da capital, para um churrasco beneficente em prol da Santa Casa de Misericórdia da cidade, lotado de lideranças políticas locais. No mesmo dia passou por Cotia, na Grande São Paulo, para um rodeio que reuniu cerca de 20 mil pessoas. Alckmin foi apresentado da arena à multidão.

Amanhã, o ex-governador viaja novamente. O destino é o oeste paulista para a festa religiosa de Santo Expedito, o maior evento da cidade que leva o mesmo nome do santo.

Quando não está na estrada, o tucano "submerge" em seu escritório político na capital. Quem visitou o local nos últimos dias conta que a agenda de Alckmin está disputadíssima. Ele tem se dividido entre conversas com a coordenação de sua campanha, deputados e pretendentes a uma cadeira neste ano. Alckmin não tem atendido a pedidos de entrevistas e há uma semana não escreve uma linha em seu microblog na rede social Twitter.

Encontro inusitado. Na quinta-feira passada, em um restaurante badalado da capital, o tucano e o pré-candidato do PT ao governo paulista, senador Aloizio Mercadante, se encontraram na estreia do reality show Aprendiz Universitário, apresentado por João Doria, na Record.

Os dois reagiram com bom humor e muito jogo de cintura à surpresa. "O João é tão poderoso que conseguiu reunir os dois pré-candidatos ao governo de São Paulo", disse Mercadante. "Eu tenho afinidades com o Mercadante. Somos ambos do Peixe (Santos)", brincou Alckmin.

Além dos preparativos para o anúncio de Alckmin, o PSDB está às voltas com um problema: resolver a disputa interna pela vaga ao Senado. Isso contribuiu para o adiamento da festa. O plano é lançar no mesmo dia o nome ao governo e ao Senado.

Pelo menos três tucanos brigam pelo posto - Aloysio Nunes Ferreira, ex-secretário da Casa Civil de José Serra, o deputado José Aníbal e o presidente estadual do partido, Mendes Thame.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.