Alckmin volta ao interior para ajudar o candidato

Governador eleito deve participar de programas de rádio e TV em todo o Estado, em busca de votos para José Serra

Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2010 | 00h00

Geraldo Alckmin (PSDB), governador eleito de São Paulo, deve iniciar até a próxima semana uma espécie de "returno" de sua campanha. Em giro pelo interior paulista, com presença garantida em emissoras locais de TV, pedirá votos para o presidenciável tucano José Serra.

O objetivo, segundo correligionários, é agradecer a votação no Estado e participar de reuniões nos diretórios regionais do PSDB, além de manter agenda conjunta com prefeitos. O itinerário ainda não está fechado, mas o tucano deve visitar todas as regiões de São Paulo, com atenção especial para a área metropolitana da capital - reduto petista.

Alckmin, que somou 50,63% dos votos válidos no Estado, trabalha para aumentar a votação de Serra em São Paulo, considerada fraca por tucanos. Em seu próprio território, maior colégio eleitoral do País, o presidenciável do PSDB atingiu 40,66% dos votos contra 37,31% de sua adversária Dilma Rousseff (PT).

Além de rodar o interior paulista, Alckmin prometeu rodar o Brasil com Serra. Com isso, poderá colher dividendos políticos com uma projeção nacional que não tem desde a derrota eleitoral de 2006, quando disputou a Presidência e perdeu para Lula no 2º turno.

Outro que deve auxiliar no apoio a Serra e participar do giro pelo interior com Alckmin é o senador eleito Aloysio Nunes (PSDB). Ex-chefe da Casa Civil de Serra, Aloysio é fiel escudeiro do presidenciável tucano e já foi citado por ele como provável ministro, caso vença.

A estrutura operacional da campanha alckmista, capitaneada pelo deputado estadual Sidney Beraldo (PSDB), também deve continuar funcionando em favor de Serra.

Apoio verde. Os cortejos do tucanato paulista aos votos Marina Silva (PV) começaram ontem, sem pedido explícito de apoio. O presidente do PSDB-SP, Mendes Thame, parabenizou, por telefone, o presidente do PV no Estado, Maurício Brusadin, pela votação e pela bancada do partido na Assembleia.

Mesmo com a possibilidade de assumir cargos na gestão Alckmin, os verdes de São Paulo foram instruídos a rechaçar aproximações. "Marina pediu um processo e vamos respeitar", disse Brusadin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.