Aldo associa oposicionistas a golpismo

A uma semana das eleições e com o aumento da possibilidade de haver segundo turno, o presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), aliado do governo, elevou o tom das críticas contra a oposição nesta segunda-feira. Aldo afirmou que a oposição "brinca com a democracia" e com "a vontade do povo" e fez associações entre a atuação dos atuais oposicionistas e participantes de golpes e tentativas de golpes militares na história do País. Segundo Aldo, a oposição tenta ganhar a eleição "no tapetão" quando recorre à Justiça Eleitoral contra a candidatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à reeleição."Como essas forças procederam dessa forma em 1954, em 1955, quando tentaram, no golpe, impedir a posse do presidente Juscelino, como procederam dessa forma em 1961, em 1964, porque, em todos esses episódios, essas forças foram rejeitadas pelo povo, derrotadas nas urnas. Então, essas forças sempre procuram um atalho. E um atalho muitas vezes é um golpe no tapetão, é uma sentença de um tribunal", afirmou Aldo."O desejo dessas vozes das trevas, das vozes do desespero, daqueles que não acreditam na democracia nem na vontade do povo, não encontrarão respaldo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE)". "O TSE não vai acolher nenhum tipo de chicana, nenhum tipo de atalho, nenhum tipo de conspirata para tirar do povo brasileiro o direito de eleger o seu presidente", concluiu o presidente da Câmara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.