Alemanha vai doar 200 mil a catarinenses

Dinheiro será destinado a compra de colchões, comida e água; contas bancárias já arrecadam R$ 3,5 milhões

Mônica Cardoso, O Estadao de S.Paulo

29 Novembro 2008 | 00h00

O governo alemão vai doar 200 mil às vítimas das inundações em Santa Catarina. Segundo o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, os recursos serão destinados para a compra de barracas, alimentos, colchões, cobertores e água potável. O dinheiro será repassado por meio de ONGs alemãs que atuam na região em cooperação com o Consulado-Geral da Alemanha em Porto Alegre. Em Santa Catarina, principalmente em Blumenau, há muitos descendentes de alemães. Até ontem as contas bancárias abertas para receber doações já somavam mais de R$ 3,5 milhões. Pela falta de locais para cozinhar, a Defesa Civil de Santa Catarina pede que sejam enviados alimentos de consumo imediato, como bolachas, leite e barras de cereal, além de itens de higiene pessoal. A Defesa Civil da cidade de São Paulo enviou ontem dois caminhões: um com 4.925 litros em garrafas de água e outro com água, alimentos e roupas. Todas as doações que chegam às 31 subprefeituras da capital são encaminhadas para Blumenau. A Cruz Vermelha enviou um caminhão com água, alimentos e produtos de higiene. A Defesa Civil do Estado de São Paulo, que recebe garrafas d?água doadas em postos policiais e quartéis de bombeiros, enviou quatro caminhões com galões. DOAÇÕESA entrega de doações na sede da Defesa Civil, no bairro do Bom Retiro, não pára. Garrafas de água, alimentos, produtos de higiene pessoal são entregues,armazenados em caixas de papelão, identificados com fitas adesivas e já seguem para o caminhão. O trabalho é executado por guardas metropolitanos, funcionários da Defesa Civis e da Prefeitura. As roupas e sapatos são separados por uma triagem, o que é feito por voluntários da Cruz Vermelha. Na tarde de ontem, o engenheiro Edmar Justo Ricardo, de 54 anos, chegou à sede da entidade em São Paulo carregado com sacolas. Ele tem um carinho especial por Blumenau, pois participou da construção do clube Sesc da cidade. "Fiquei tocado porque conheço bem a região." Levou pacotes de bolachas e caixas de leite, além de produtos de higiene pessoal e roupas usadas, mas em bom estado. Ao ver voluntários e funcionários carregando os caminhões, perguntou se podia ajudar e se juntou ao grupo. A doméstica Edna Cristina Munhoz, de 51 anos,entregou sacolas com produtos de higiene pessoal e água. "Eu sei o que eles estão passando. Minha família perdeu tudo em uma enchente no Recife". A designer Juliana Conz, de 27, atua há quase um ano como voluntária da Cruz Vermelha. "Sempre tive vontade de ajudar o outro", diz. Empresas doadoras podem pedir isenção do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), utilizando o código CFOP na nota fiscal 5910. Em complemento, deve constar "Doação para Defesa Civil do Estado de Santa Catarina".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.