Marcos Arcoverde/AE
Marcos Arcoverde/AE

Alencar convida empresários para lutar contra violência no Rio

'Há recursos, é preciso mais vontade', afirma vice-presidente ao receber homenagem da Associação Comercial

Alexandre Rodrigues, O Estado de S. Paulo

28 de outubro de 2009 | 17h19

Em visita ao Rio de Janeiro, o vice-presidente da República, José Alencar (PRB), aproveitou nesta quarta-feira, 28, uma homenagem que recebeu da Associação Comercial (ACRJ) para convocar os empresários a liderar um movimento de combate à violência. "Todos os brasileiros devem trabalhar pela redução da violência no Rio. Há recursos para isso, é preciso mais vontade", afirmou.

 

Veja também:

linkPara Lula, União precisa 'reconhecer responsabilidade'

linkPresídios de segurança média podem ser feitos no Rio, diz Tarso

linkSem investimentos, Rio não estará pronto para 2016, diz Tarso

linkAdolescente morre baleado durante operação da PM no Rio

 

Para o vice-presidente, a estratégia deve começar pela valorização dos salários e da carreira policial. "Acho que tem que haver um engajamento nacional contra a violência. A vocação do brasileiro é pacífica. Isso é uma minoria insignificante que pratica. É preciso um policiamento muito preparado, bem remunerado, para que haja motivação e segurança constante em relação ao futuro, não só do política, mas da sua família, para que ele tenha condições de nos ajudar a resolver esse problema", disse.

 

Alencar também afirmou que tem conversado com o presidente Lula sobre a necessidade de melhorar as condições de vida nas favelas, aliando políticas de urbanização e educação. "Eles (os moradores de favelas) não têm culpa. Temos que melhorar as condições deles."

 

Para Alencar, as soluções encontradas para reduzir a criminalidade no Rio servirão de exemplo para todas as outras cidades do País que sofrem com o mesmo problema.

Tudo o que sabemos sobre:
Rioviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.