Alencar critica agências e diz ter tido sorte quando ministro

Vice é contra autonomia, como no caso da aviação, porque não se pode transferir responsabilidade

Ricardo Bandeira, do Estadão,

04 de agosto de 2007 | 23h01

O vice-presidente da República, José Alencar, criticou neste sábado, 4, em Belo Horizonte, o papel das agências reguladoras. Ele se disse contra a autonomia delas em relação à Presidência da República. Alencar também afirmou ter tido sorte de os acidentes aéreos não terem acontecido quando era ministro da Defesa. Os comentários foram feitos durante o enterro, na capital mineira, do corpo do engenheiro Rospierre Vilhena Bastos, vítima do acidente com o Airbus da TAM, em 17 de julho.  Bastos era funcionário da Coteminas, empresa de Alencar. Uma das agências reguladoras é a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), apontada como uma das responsáveis pela crise no setor aéreo. "O presidente da República não tem como transferir responsabilidade, porque o responsável perante a nação é sempre o presidente. Então, por esta razão e por outras, eu sou contra a independência e autonomia dessas agências, porque autonomia é muito bonito quando você pode transferir responsabilidade, mas quando você, diante de um problema, transfere a responsabilidade para o presidente da República, isto não é bom", declarou Alencar. O vice-presidente não quis apontar as causas do acidente, mas não isentou a Anac. "O Brasil todo despertou para o problema da aviação civil no momento em que houve aquele acidente do (jato) Legacy com o (Boeing da) Gol, quando morreram 154 pessoas. A partir dali, houve muita preocupação de todos, culminando agora com esse problema no Aeroporto de Congonhas. São casos completamente diferentes, a rigor não tem nada a ver um com o outro, mas provavelmente tem a ver com questões ligadas à administração da aviação civil", disse Alencar. Ele também defendeu que o papel das agências reguladoras seja revisto e que elas passem a responder aos ministérios.  Sorte Alencar, que foi ministro da Defesa no primeiro governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, classificou como sorte o fato de os acidentes não terem acontecido naquela época: "Fomos de sorte, porque no nosso tempo não tivemos nenhum problema maior". Ele disse, no entanto, ter acompanhado de perto os problemas do setor aéreo. "É claro que depois que essas coisas acontecem, é mais fácil localizar os problemas, mas estávamos atentos ao que era trazido pela Infraero, pelo comando da Aeronáutica e pelo Conselho Nacional de Aviação Civil", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.