Alencar e ministros chegam ao velório dos fiscais assassinados

O presidente em exercício, José Alencar, e os ministros do Trabalho, Ricardo Berzoini, e da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda, chegaram em Belo Horizonte onde participam do velório dos três auditores fiscais e do motorista do ministério do Trabalho que foram assassinados ontem na cidade de Unaí, noroeste de Minas Gerais.Os fiscais estavam na região desde de segunda-feira. Eles fiscalizavam as condições de trabalho dos agricultores contratados para a colheita da safra de feijão. Ontem, por volta das 8 horas da manhã, o carro em que estavam foi parado em uma emboscada. Os três fiscais e o motorista foram assassinados com tiros na cabeça. Por determinação do presidente em exercício foi criada uma força-tarefa composta pela Polícia Federal, Polícia Rodoviária federal, Ministério Público federal e pelas polícias Civil e Militar de Minas Gerais para investigar as circunstâncias do crime.Indenização O ministério do Trabalho e a Secretaria Nacional dos Direitos Humanos estão elaborando um projeto de lei para indenizar as famílias das vítimas. O projeto será enviado ao Congresso Nacional em regime de urgência.O velório das vítimas está sendo realizado no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA) de Belo Horizonte. Os corpos dos fiscais Erastotenes de Almeida e João Batista Soares serão enterrados no semitério da Colina, em Belo Horizonte. O corpo do fiscal Nelson José da Silva será enterrado em Rio Preto, interior de São Paulo, e o do motorista Ailton Pereira de Oliveira será enterrado em Sete Lagoas, Minas Gerais. As informações são da Agência Brasil.Para ler mais sobre o assassinato dos fiscais do trabalho em Minas: Assassinos serão punidos, diz Lula Presidente em exercício divulga nota sobre assassinatos Ministério do Trabalho divulga nome de fiscais mortos Auditores fiscais são assassinados em Minas ao investigar trabalho escravo

Agencia Estado,

29 de janeiro de 2004 | 12h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.