Alfabetização Solidária vai ajudar a financiar educação de adultos

O programa Alfabetização Solidária vai ajudar a financiar a expansão da educação de jovens e adultos nos 1.244 municípios onde atua. Prefeituras que atenderem novos alunos este ano nos supletivos de ensino fundamental vão receber, até dezembro, R$ 200 mensais para cada turma criada. O repasse previsto é de R$ 16 milhões e deverá ser aplicado na remuneração dos professores."O que fazemos é a alfabetização inicial, que pressupõe continuidade", disse ontem a superintendente-executiva do programa, Regina Esteves, antes de abrir a cerimônia que oficializou a adesão de nove empresas e quatro governos estaduais ao Alfabetização Solidária. O investimento nos cursos supletivos busca garantir maior oferta de vagas já este ano.O Ministério da Educação (MEC) começou, em março, a repassar recursos às prefeituras para a educação de jovens e adultos. Cada aluno matriculado em supletivos de ensino fundamental significará R$ 230,00 por ano nos cofres desses municípios, atingindo cerca de R$ 180 milhões. Mas o valor dos repasses é calculado com base no número de estudantes registrados no Censo Escolar do ano passado. Ou seja, não considera as novas matrículas deste ano."Muitos municípios pobres não conseguiriam atender à demanda", disse Regina. Os R$ 16 milhões sairão do orçamento do MEC e serão gerenciados pelo Alfabetização Solidária. A superintendente espera receber até o fim do mês informações sobre as novas matrículas deste ano, que estão sendo enviadas pelos municípios aos governos estaduais para a elaboração do Censo Escolar 2001.Regina Esteves acredita que o sistema de controle do programa evitará fraudes. Todo mês, segundo ela, representantes das universidades conveniadas ao Alfabetização Solidária visitam as cidades beneficiadas. Além disso, no segundo semestre, haverá auditoria por amostragem a cargo do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).As adesões ao programa celebradas ontem vão garantir a alfabetização de 116 mil jovens e adultos este ano, dos quais 100 mil em Goiás, onde o governo estadual vai instalar o curso em todos os 264 municípios. A presidente do Conselho da Comunidade Solidária, a primeira-dama Ruth Cardoso, destacou a importância das parcerias entre governo e sociedade para enfrentar os problemas sociais do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.