Alfândega destrói produtos falsos em Santos

A Alfândega de Santos fez nesta terça-feira nova destruição de produtos falsos destinados a outros países da América do Sul e apreendidos em navios atracados no porto santista. O rolo compressor começou, às 14 horas, a esmagar cem mil relógios com marcas falsificadas da Gucci, Calvin Klein, Omega, Rolex e outras, além de 400 rádios de pilha com a marca Aiwa falsa. A carga, avaliada em R$ 500 mil, foi embarcada em Hong Kong com destino a Montevideo, no Uruguai.Segundo a inspetora da Alfândega, Diva Kodama, a apreensão faz parte da operação caça-pirata, em vigor desde abril do ano passado. A fiscalização se estende aos produtos que estão de passagem pelo porto de Santos, com destino aos portos dos países vizinhos. Como violam a Lei de Propriedade Industrial, por utlizar marcas sem a autorização dos legítimos detentores, são apreendidos."É sabido que muitas dessas mercadorias voltam ao Brasil pelos 16 mil quilômetros de fronteiras secas brasileiras e já apreendemos produtos com a marca Maurício de Souza com a inscrição "Made in Brazil" e com rótulo em português, provando claramente que seriam consumidos em nosso País", disse a inspetora Diva Kodama. Segundo ela, além de serem falsos, os produtos não oferecem segurança aos consumidores. E criamproblemas até para sua destruição. É o caso dos 7 milhões de isqueiros apreendidos e que necessitam de uma operação especial para serem destruídos, por serem inflamáveis.

Agencia Estado,

19 de novembro de 2002 | 17h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.