Aliado de Dirceu vira réu 7 anos após escândalo

Waldomiro Diniz e outros acusados do caso GTech serão processados por concussão e corrupção

, O Estado de S.Paulo

29 Janeiro 2011 | 00h00

A Justiça Federal acolheu uma denúncia contra o ex-subchefe de Assuntos Parlamentares da Casa Civil Waldomiro Diniz e outras pessoas acusadas de envolvimento em irregularidades durante a renovação de um contrato entre a Caixa Econômica Federal (CEF) e a empresa multinacional de processamento de loterias GTech.

De acordo com o Ministério Público Federal, os acusados de envolvimento no esquema serão processados pelos crimes de concussão (extorsão praticada por funcionário público), corrupção ativa e passiva e estelionato. O Ministério Público Federal deverá recorrer da decisão da Justiça de rejeitar a denúncia contra o ex-diretor da Caixa Paulo Roberto Paixão Bretas.

Ocorrido em 2004, o caso Waldomiro foi o primeiro escândalo do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Vídeos divulgados naquele ano - embora tivessem sido gravados em 2002, antes do primeiro mandato de Lula - mostravam Waldomiro pedindo doações de campanha supostamente irregulares ao empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. As imagens, captadas por uma câmera escondida, mostram que Waldomiro, depois de solicitar dinheiro para as campanhas de candidatos do PT a governador, pedia propina em seu próprio nome.

Segundo a denúncia do Ministério Público, o ex-assessor da Casa Civil "tinha por hábito cobrar propina e assim buscava nova fonte de recursos".

Além de Waldomiro e de Carlinhos Cachoeira, são réus na ação o advogado Rogério Buratti - ex-secretário do ministro Antonio Palocci (PT) na Prefeitura de Ribeirão Preto -, funcionários da GTech Brasil na época dos fatos e o ex-presidente do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Social (IBDS) Fábio Rolim.

Na denúncia acatada pela Justiça Federal, o Ministério Público sustentou que a GTech buscou, "com a utilização de diversos influenciadores, se aproximar de altas autoridades e de agentes públicos importantes para análise de sua pretensão" para conseguir renovar seu contrato com a CEF, que representava quase 100% de seu faturamento no Brasil.

Mensalão. Um ano depois do caso Waldomiro, surgiu novo escândalo no governo Lula. O presidente do PTB, Roberto Jefferson, revelou o esquema do mensalão e atribuiu a José Dirceu o papel de comandante. Os dois ex-deputados foram cassados.

O então procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, abriu investigação sobre o caso e denunciou no Supremo Tribunal Federal (STF) 40 pessoas suspeitas de envolvimento no esquema. Até agora o STF não julgou o processo.

Procurado ontem pela reportagem, Waldomiro não foi localizado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.