Aliados cobram oposição a Lula e confronto de ideias com Dilma

''O rei tem de ser desnudado. A candidata do presidente é um fantoche'', diz o senador Jarbas Vasconcelos

, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2010 | 00h00

Na primeira reunião do candidato do PSDB a presidente, José Serra, com as cúpulas e os governadores eleitos pelo PSDB, DEM e PPS, e até dissidentes do PMDB, todos se uniram em uma cobrança: querem que Serra assuma uma postura mais clara de candidato do PSDB e de oposição ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao PT. Querem um confronto de ideias com a adversária petista Dilma Rousseff.

Convidado a discursar, o ex-presidente Itamar Franco (PPS), eleito senador por Minas Gerais, cobrou mudança de figurino do candidato. "Vossa Excelência é um homem que não precisa tanto dos marqueteiros porque tem vida limpa, honesta. Seja mais Serra do que marketing. Tem de haver o confronto", aconselhou sob aplausos da plateia. "O segundo turno é nova eleição em que temos de corrigir rumos, aferir nossa bússola".

"Querem falar de privatizações, vamos falar delas", propôs Aécio Neves, ex-governador de Minas e senador eleito, sugerindo que o segundo turno comece com a defesa, "com toda altivez", do governo Fernando Henrique Cardoso. "Não teria havido avanços do atual governo, se não tivesse havido o governo Itamar Franco, com a coragem política de lançar o Plano Real, e o governo Fernando Henrique, que consolidou e abriu a nossa economia.

Fantoche. O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) defendeu a tese de que a campanha do segundo turno tenha "ação propositiva", mas observou: "O rei tem de ser desnudado. A candidata do presidente é um fantoche."

Inconformado com a participação direta do presidente Lula em sua derrota, com uma campanha de telemarketing para pedir votos ao time governista, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) desembarcou na reunião criticando a campanha "bem educada demais" do primeiro turno e propondo um discurso mais firme de oposição. "Temos de falar no que fizemos no governo Fernando Henrique e também lembrar quem é a Erenice Guerra, o Delúbio Soares e o José Dirceu", propôs Tasso, sugerindo que Serra aborde as denúncias de corrupção no governo Lula.

"Esta reunião vai ter de ser a vanguarda do pensamento oposicionista", discursou o presidente do PPS, Roberto Freire, pregando "política de confronto para mostrar as diferenças" entre Serra e Dilma. Ao fim do encontro, Jarbas disse estar "mais tranquilo" com a sinalização de Serra, de que fará um segundo turno mais combativo. Itamar Franco, no entanto, não ficou satisfeito: "Hoje o Serra levou o discurso em um ângulo de oposição que eu entendo que terá de ser um pouco mais forte."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.