Aliados fecham apoio a financiamento público

AGÊNCIA ESTADO

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

17 Setembro 2011 | 00h00

Em encontro patrocinado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, PT, PDT, PSB e PC do B chegaram a alguns consensos sobre a proposta de reforma política em tramitação na Câmara. Entre os pontos que serão defendidos pelas bancadas estão o financiamento público de campanha em 2014.

"Houve muitos consensos. O principal é o financiamento público exclusivo de campanha, que é a melhor maneira de combater a corrupção", disse o presidente nacional do PT, deputado estadual Rui Falcão (SP). As propostas defendidas ontem farão parte do relatório do deputado Henrique Fontana (PT-RS).

As lideranças dos partidos se reuniram para discutir o tema pela segunda vez. Sob o comando de Lula, os líderes também concordaram em defender a redução do mandato de senador para quatro anos, a partir de 2018, e a idade mínima de 35 para 30 anos. A redução se estenderia aos deputados, que poderiam assumir o mandato aos 18, e não 21 anos.

A proposta sugere ainda a mudança da data das posses (para 5, 10 e 15 de janeiro) e propõe que cada senador passe a ter só um suplente: o candidato a deputado mais votado do mesmo partido e Estado do senador. "Não é simples construir consensos, mas acho que avançamos", comemorou o governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos.

Os quatro partidos defenderão o fim das coligações em 2016 e o aumento da participação popular, reduzindo a exigência de coleta de assinaturas de 1 milhão para 500 mil para projetos de iniciativa da sociedade.

Debate. Embora tenham unificado o discurso em pontos cruciais, PT e PC do B insistem em criar um sistema de voto proporcional misto - um voto no candidato de livre escolha do eleitor e outro no partido. "Temos um acordo até o proporcional, o que quer dizer não ao distritão. Mas quando vai para o proporcional misto, a gente tem um debate", explicou Campos.

Na próxima semana, os quatro partidos vão buscar apoio do PMDB e, em seguida, ouvir o PP. No dia 4 de outubro, promoverão uma reunião, em Brasília, com representantes dos partidos e da sociedade civil.

Consenso

RUI FALCÃO

PRESIDENTE DO PT

"Houve muitos consensos. O principal é o financiamento público exclusivo de campanha"

EDUARDO CAMPOS

PRESIDENTE DO PSB

"Acho que avançamos"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.