Aliados, mas cada um com seu próprio palanque

O PT e o PMDB estão montando palanques próprios para disputar o cargo de prefeito no maior número de municípios - a começar por São Paulo, que tem o maior orçamento municipal do País. Os dois dão como certo que, na capital paulista, enfrentarão o ex-governador tucano José Serra. E, apesar de a possibilidade de se enfrentarem no segundo turno não estar descartada, os dois se apressaram em costurar uma parceria para essa fase decisiva - se houver - da briga paulista.

Christiane Samarco, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2011 | 00h00

A previsão é que o número de cidades disputadas pelas duas legendas aumente em todos os Estados. Embora o presidente peemedebista, senador Valdir Raupp, faça discurso em favor de manter a aliança com os petistas nos municípios onde ela já existe, será difícil compor as duas legendas até na capital de seu Estado, Porto Velho.

Hoje é o PT que administra a cidade, tendo em sua chapa um vice do PMDB. Mas o presidente do PMDB já dá como certo o lançamento de um correligionário à corrida pela prefeitura. "Vamos tentar o apoio do PT, oferecendo a vice a eles. Mas há um risco de que talvez não ocorra essa aliança", admite Raupp em conversas reservadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.