Aliados pedem ao TSE para elevar limite de gasto

Na reta final da disputa presidencial, a coligação da candidata Dilma Rousseff (PT) pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que eleve o limite de gastos para sua campanha. No registro da candidatura, em 5 de julho, a previsão indicou o valor o máximo de R$ 157 milhões. Agora, quer um reajuste superior a 20%, totalizando R$ 191 milhões.

Mariângela Gallucci / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2010 | 00h00

O pedido será analisado pelo ministro Aldir Passarinho Junior, relator do processo de registro da candidatura de Dilma. Se a solicitação for aceita, o limite de custos da campanha petista ficará acima do valor máximo de gastos previsto pelo tucano José Serra: R$ 180 milhões.

Segundo turno. Na petição entregue na quinta-feira, o advogado da coligação que apoia a petista, Márcio Silva, citou a realização do segundo turno, para "requerer a alteração do limite de gastos declarado nos autos do pedido de registro da chapa majoritária presidencial".

Segundo Márcio Silva, o pedido se deve a gastos complementares com organização e divulgação da campanha eleitoral, além da "dificuldade fática" de prever exatamente o montante de doações na modalidade estimável em dinheiro. O advogado diz que o novo limite de gastos seria dividido em um teto de R$ 176 milhões para o PT e outro de R$ 15 milhões para o PMDB.

Procurado pela reportagem do Estado, Márcio Silva afirmou que pedidos de alteração no limite de gastos de campanha são comuns e lembra que isso ocorreu nas eleições de 2002 e 2006.

O advogado José Eduardo Alckmin, que defende Serra no TSE, afirmou não ter notícias sobre pedidos para aumento do limite de gastos da campanha tucana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.