Alimento para animais é desperdiçado em Araçatuba

Uma denúncia anônima levou a Prefeitura de Araçatuba a localizar, neste fim de semana, grande quantidade de carne de frango enterrada no zoológico do município. O alimento, constituído por miúdos e carcaças, era sobra da merenda escolar destinada aos felinos do zoológico, mas acabou se deteriorando por motivos que serão apurados por meio de sindicância aberta por determinação do prefeito Jorge Maluly Netto (PFL). Segundo o secretário municipal de Obras e Serviços Públicos, Ruy dos Santos Pinto Júnior, que recebeu a denúncia, o informante disse que chega a quatro toneladas a quantidade de carne desperdiçada. O prejuízo foi estimado pelo secretário em pelo menos R$ 4 mil.Ainda segundo a denúncia, o alimento, embalado em sacos plásticos, foi depositado em valas abertas em diferentes pontos do terreno do zoológico, sem nenhum cuidado para evitar a contaminação do solo e do lençol freático. Por enquanto, operários e máquinas da Secretaria de Obras conseguiram localizar somente uma das valas. A administradora do zoológico, Nanci Regina Pinheiro Martinez, confessou que ela própria deu a ordem para que a carne fosse enterrada no local, no mês de julho do ano passado, em dia que ela não lembra mais. Nanci não soube informar a quantidade exata, mas afirma que é bem menos do que a divulgada pelo secretário de Obras.A administradora alega que os miúdos e carcaças de frango se deterioraram porque a câmara fria do zoológico, onde são estocados os alimentos dos animais, estava quebrada na ocasião. Para Ruy dos Santos Pinto, essa justificativa não convence. "Pelo que já apuramos, a câmara fria ficou quebrada durante quatro dias, quando o conserto poderia ser providenciado em apenas 24 horas", declarou o secretário. Conforme Nanci, o veterinário do zôo, Eustáquio Azevedo, não permitiu que a carne fosse dada aos bichos, pois eles poderiam ficar doentes. A ex-prefeita de Araçatuba, Germínia Dolce Venturolli (PRP), disse que nunca foi comunicada sobre o fato nem consultada quanto ao destino que se deveria dar à carne. "Não chegou nada ao meu gabinete e o surgimento dessa denúncia só agora está parecendo coisa política", afirmou. O ex-diretor de Turismo e Lazer da Prefeitura, Juvenal Paziam, a quem a administradora do zôo era subordinada, também nega que tenha sido avisado. Alguns servidores já foram ouvidos na sindicância aberta para apurar o caso. "Já está claro que a operação para enterrar a carne utilizou servidores tanto do zoológico quanto da Secretaria de Obras, além de máquinas e caminhões", disse o secretário Ruy dos Santos Pinto. Ele informou que todo o material, que está em estado bastante adiantado de decomposição, será removido do zoológico e depositado em valas revestidas com cal no depósito de lixo do município.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.