FELIPE RAU/ESTADÃO - 24/12/2021
FELIPE RAU/ESTADÃO - 24/12/2021

Aluguel de apartamento, pousadas e hostels cobram passaporte vacinal

Anúncios no AirBnB já incluem exigência, medida apoiada pela plataforma; parte dos estabelecimentos de hospedagem oferece descontos e drinques grátis aos imunizados

Gonçalo Junior e Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

25 de dezembro de 2021 | 14h41

O turismo tenta recuperar a força neste ano, mas sem perder de vista os cuidados com a covid-19. Donos de imóveis e pousadas em destinos turísticos já têm cobrado, por conta própria, comprovação das duas doses da vacina antes de fechar a locação. Em alguns estabelecimentos, o passaporte garante desconto nas diárias e até drinques grátis em hostels, opções de hospedagem mais econômicas baseadas no compartilhamento de espaços. 

Com um apartamento disputado em Cabo Frio (RJ), o comerciante Ibsen Ruas Almeida, de 57 anos, pede o documento desde setembro para os interessados que aparecem na plataforma Airbnb. E garante que ainda não cancelou hospedagens. “Pedimos porque é segurança para todo mundo, tanto para os hóspedes quanto para nós. E não adianta uma pessoa se vacinar. Toda a população precisa fazê-lo”, alerta.

Dona de um estúdio de 33 metros em frente ao mar, na praia de Itararé (SP), a fisioterapeuta Júlia Gandara, de 41 anos, decidiu cobrar a imunização dos hóspedes nas próximas reservas. Segundo ela, a intenção inicial não é cancelar reservas. “Caso a situação fique mais complicada, vou analisar a possibilidade de colocar algo no anúncio”, afirma. 

Já o anúncio do apartamento de Sônia Pereira na praia de Iracema (CE) pede, logo de cara: “devido à pandemia da covid-19, estamos solicitando de todos os hóspedes a foto do passaporte de vacina”.

A iniciativa tem apoio da plataforma. “Os anfitriões devem especificar na descrição do anúncio, como nas regras da casa, eventuais exigências sobre vacinação de hóspedes”, informa o AirBnB, que reúne mais de 4 milhões de anfitriões pelo mundo. Se o hóspede descumpre as regras, diz a empresa, o anfitrião podem cancelar a reserva sem penalidades.

A necessidade de comprovar a vacinação para entrar no Brasil foi oficializada dia 20, em portaria que atendendo ao Supremo Tribunal Federal (STF). A ordem foi dada em ação contra a gestão Jair Bolsonaro, opositora do passaporte. 

Brasileiros e estrangeiros residentes não vacinados, porém, podem optar por quarentena de pelo menos cinco dias, seguida de teste negativo. Estrangeiros não têm essa opção.

O Desfrute Hostel Guarujá (SP), entre as praias do Tombo e Astúrias, pede comprovante desde que reabriu, em maio. Ali há preocupação extra pela proximidade com o porto de Santos, entrada de navios estrangeiros para muitos turistas no verão “A grande maioria entende que a vacina é o único meio de vencer a pandemia, mas já tivemos casos em que declinamos da hospedagem para não colocar o ambiente e os hóspedes em risco”, diz o dono, Paulo Geraldini.

Isso se repete em outros Estados. “A pessoa precisa comprovar a vacinação no momento do check-in”, avisa Luigi Moraes, 31 anos, responsável pelo atendimento do Zili Pernambuco Hostel, no Recife.

Prêmios

A vacinação completa também pode garantir benefícios. A campanha “Vacina no braço, mochila nas costas” estimulou estabelecimentos a dar vantagens – descontos e até drinques grátis – para imunizados. “Foi uma forma de mobilizar os hostels do Brasil, colocando todos novamente no radar do viajante e incentivando as pessoas a tomarem a 2ª dose”, explica o idealizador, Diego Bonel, do site Brasil Hostel News. Ao todo, 147 estabelecimentos participaram da ação, que terminou em novembro.

Os resultados foram tão bons que vários hostels mantiveram os descontos, como o Ô de Casa. Vacinados que procuram o endereço boêmio da Vila Madalena, zona oeste de São Paulo, ganham caipirinha de boas-vindas e 10% de desconto no fim da estadia. “A gente esperou muito esse momento. A vacina é que vai fazer o turismo retomar”, diz Marina Moretti, dona do local.

O Green Haven Hostel, em Ubatuba (SP), também oferece descontos no check-in. “Nos últimos meses, a gente recebeu muita gente que apresentou o comprovante. Agora, notamos diminuição. Não sei se é por esquecimento ou porque já normalizaram essa questão de todos estarem vacinados”, falou o proprietário Vinícius Fiore, 39 anos.

O Madá Hostel, em São Paulo, planeja ofertar descontos. “Acredito que é uma maneira de promover a vacinação”, fala Ramon Mascena, 22 anos, responsável pela comunicação do local.“É uma forma de o cliente se sentir mais seguro.”

Cidade do Rio e Ceará criam exigência para hotel, bar e restaurante

Estudo da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), de dezembro, aponta que em 18,3% das cidades já foi editado decreto ou similar com obrigação da vacina para frequentar espaços coletivos públicos. O levantamento envolveu 2.662 prefeitos – quase a metade do País.

Uma das cidades com maior nível de exigência é o Rio de Janeiro, onde a comprovação de vacinação é necessária para check-in em hotéis, pousadas e também para comer em áreas internas de restaurantes. 

O prefeito Eduardo Paes (PSD) recuou da exigência em táxis, veículos por aplicativos e shopping centers, como previa originalmente o decreto carioca. “Não adianta criar medidas que a gente sabe que ninguém vai cumprir”, disse ele, à época. 

A partir do dia 3, academias, hotéis, pousadas e estabelecimentos do gênero no Ceará passarão a cobrar passaporte, já obrigatório em bares e restaurantes desde novembro. Para especialistas, a cobrança do comprovante incentiva a vacinação e ajuda no controle do vírus. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.