Aluno acusado de matar professor em MG será internado

Estudante de educação física assassinou docente no corredor da faculdade, em Belo Horizonte

Marcelo Portela, O Estado de S. Paulo

22 de julho de 2011 | 17h20

BELO HORIZONTE - O estudante universitário Amilton Loyola Caires, de 23 anos, terá que ficar pelo menos três anos internado e um hospital psiquiátrico. O rapaz matou o professor de Educação Física Kássio Vinícuis Castro Gomes, de 39, mas, para a Justiça, ficou comprovado que o acusado sofre de esquizofrenia e não pode ser responsabilizado pelo crime.

 

O assassinato ocorreu em dezembro do ano passado, dentro do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, no bairro de Lourdes, área nobre de Belo Horizonte. Caires esfaqueou o professor no corredor da faculdade e foi preso na madrugada seguinte, em casa. Ele alegou que era "perseguido" pelo docente.

 

Em audiência no II Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, na capital mineira, o rapaz prestou depoimento "bastante confuso" repetiu que se sentia "perseguido" e "humilhado" pelo professor dentro da sala de aula e assumiu o crime.

 

Mas tanto a defesa quanto o Ministério Público entenderam que o réu deveria ser absolvido com base em laudo psiquiátrico segundo o qual o estudante é "portador de transtornos mentais que o tornam inimputáveis". Segundo o laudo, a esquizofrenia é uma doença que "tolhe a capacidade de entender o caráter ilícito de seus atos".

 

Com base no laudo, o juiz sumariante substituto Glauco Eduardo Soares Fernandes concordou com o MP e a defesa e determinou a internação. Até então, Amilton estava detido no presídio Inspetor José Martinho Drumond, em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.