Google Street View/Reprodução
Google Street View/Reprodução

Aluno com necessidades especiais é vítima de estupro coletivo no CE

Menino de 9 anos foi atacado por cinco crianças na Escola Municipal Gabriel Cavalcante, na periferia de Fortaleza

Lauriberto Braga, Especial para o Estado

13 de junho de 2016 | 15h50

FORTALEZA - A Delegacia Especializada no Combate à Exploração da Criança e dos Adolescente de Fortaleza investiga um caso de estupro coletivo na Escola Municipal Gabriel Cavalcante, no bairro Presidente Kennedy, na periferia de Fortaleza, contra um aluno com necessidades especiais de 9 anos, que cursa o terceiro ano do ensino fundamental.

Nesta terça-feira, 14, às 10 horas, haverá na Delegacia do Menor e do Adolescente uma audiência para ouvir o pais da criança e a diretoria da escola.

A família denunciou ao Conselho Tutelar que o menino, que estuda há três anos na escola, foi abusado sexualmente por outras crianças de 9 a 11 anos, na segunda-feira da semana passada, 6.

A investigação está sob sigilo, conforme os policiais civis, "para não atrapalhar a apuração do caso". Os pais da criança procuraram o Conselho Tutelar para informar do caso e foi feito exame de corpo delito, onde foi constatado o abuso.

"Meu menino toma remédio controlado e com o estupro tivemos que aumentar a dosagem. Agora ele está mais tranquilo. Antes do estupro, ele sofria bullying dos colegas", relatou ao Estado o pai do menino, que pediu para não ser identificado.

Os pais da criança dizem que o menino foi violentado sexualmente por cinco garotos. A mãe da vítima, que também pediu a preservação do seu nome, disse que o grupo se dividiu: uns o seguravam, enquanto outros tapavam a boca do filho dela para não gritar, e os demais o violentavam. Após o estupro, o menino teria comunicado o fato à direção da escola, mas a diretora não acreditou no relato da criança.

"Na segunda-feira passada, encontrei meu filho, às cinco da tarde, quando fui buscá-lo no colégio. Ele vinha sozinho, chorando, muito nervoso, se tremendo e eu perguntei o que tinha acontecido", disse o pai. "(Ele) disse que os meninos o pegaram e fizeram maldade com ele. Fomos à Delegacia do 24º Distrito. Lá fizemos um BO (boletim de ocorrência) para pegar uma guia para ir à perícia forense. Depois pedi a um colega o telefone do Conselho Tutelar que nos buscou e nos levou à perícia e foi constatado que meu filho tinha sido violentado." 

Essa não foi a primeira vez que o menino sofreu violência na escola. "Há dois anos, ele era espancado. Eu ligava, reclamava, eles mandavam eu ir lá, conversávamos, mas não resolviam nada. Agora eu tirei ele desse colégio e me deram uma declaração para colocá-lo em outro. Já o levei e dei remédio para ele se acalmar", reclamou o pai. 

A diretoria da escola não quis se manifestar. Já o secretário municipal de Educação, Jaime Cavalcante, abriu uma sindicância para apurar o caso. Segundo ele, o menino, a família e a escola estão sendo acompanhados pela Célula de Mediação Social da Secretário da Educação do Ceará (Seduc).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.