Aluno invade escola, atira e fere 3 na PB

Polícia acredita que o ataque foi motivado por ciúme: atirador teria discutido com a namorada e ameaçado matar estudante

Adelson Barbosa dos Santos , Especial para o Estado

11 Abril 2012 | 21h53

JOÃO PESSOA - Armado com um revólver calibre 38, um rapaz, menor de idade, invadiu, na tarde desta quarta-feira, 11, as dependências da Escola Estadual Enéas Carvalho, na cidade de Santa Rita (Região Metropolitana de João Pessoa), e atirou contra os alunos. Três adolescentes foram feridos. O crime aconteceu por volta das 13h30, quando os estudantes se dirigiam para as salas de aula.

Segundo a Polícia Militar, dois jovens ainda não identificados chegaram ao colégio em uma motocicleta e invadiram o pátio, onde os alunos se concentram antes das aulas e nos intervalos. Os dois estavam vestidos com o uniforme da escola.

Um deles atirou contra o adolescente J.E.S., de 15 anos, aluno da 6.ª série do ensino fundamental. O tiro atingiu a perna direita do adolescente. O atirador disparou outras cinco vezes e atingiu duas garotas. Houve tumulto e os dois fugiram em seguida. A direção da escola reconheceu o rapaz que estava na companhia do atirador. Ele é aluno da escola e teve a identidade preservada.

J.E.S. foi socorrido por um carro da Polícia Militar para o Hospital de Trauma de João Pessoa. As duas garotas - R.A.S., de 17 anos, e outra que não teve a identidade revelada - foram socorridas para o Hospital Flávio Ribeiro Coutinho, em Santa Rita. Uma delas foi baleada no braço direito e a outra no pé esquerdo. Os estudantes feridos não correm risco de morte.

De acordo com as primeiras informações levantadas pela PM, o motivo do crime teria sido ciúme. Testemunhas disseram à polícia que o atirador tinha discutido com a namorada, no dia anterior, e o motivo teria sido a amizade dela com J.E.S.

Segundo o tenente Ulysses Costa, o estudante teria dito, após a discussão com a namorada, que mataria J.E.S. As garotas feridas disseram à polícia que foram baleadas por acaso. O Núcleo de Homicídios da Delegacia de Santa Rita abriu inquérito. Depois do tumulto, as aulas foram suspensas. Até o fim da tarde, a PM ainda não havia localizado os dois rapazes.

Em maio do ano passado, um estudante teria efetuado dois disparos para o alto no colégio. Segundo a direção, ele se revoltou com a demora no fornecimento da merenda.

Mais conteúdo sobre:
escola atirador Paraíba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.