Alunos do Mackenzie não reconhecem fotos de possíveis agressores

Os dois alunos do Colégio Mackenzie, Daniel e Leonardo, que alegam terem sido agredidos por alunos do Colégio Nossa Senhora de Sion não conseguiram reconhecer com certeza nenhuma das fotografias de alunos do Sion que lhes foram exibidas. Os dois foram agredidos por cinco rapazes e uma menina na Avenida Higienópolis, no centro de São Paulo, na semana passada. A moça vestia a camiseta do Sion, o que leva a polícia a suspeitar que foram vítimas de uma rivalidade entre alunos das duas escolas.Cada uma das vítimas chegou a apontar pessoas nos álbuns que se pareciam com os agressores, mas não houve concordância entre os retratos escolhidos. A polícia conseguiu os álbuns de 2003 a 2005 do ensino médio do Sion depois de entrar em contato com a coordenadora pedagógica do colégio, Ana Letícia. Ela depôs hoje no 4º Distrito e afirmou que a escola está disposta a identificar os agressores caso eles sejam, de fato, alunos do colégio.AgressãoO caso ocorreu no dia 23 de fevereiro. Daniel e seu amigo saíram do Mackenzie e foram encontrar-se com um amigo no Sion. Como este não estava, os rapazes decidiram voltar. Na Avenida Higienópolis, foram abordados pelos cinco rapazes e pela moça. Quando viram que os dois estavam com camisetas do Mackenzie, disseram: "Vocês têm de apanhar". Leonardo levou dois pontapés, mas conseguiu fugir correndo. Seu amigo foi agarrado e espancado com chutes e socos. O espancamento só não foi pior porque um motorista que passava pelo local parou seu carro e interrompeu a surra. Daniel teve o nariz fraturado e foi obrigado a fazer uma cirurgia plástica reparadora. Ao depor nesta quinta, Leonardo confirmou todos os detalhes da agressão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.