Alves teria ficado ''chocado'' ao saber da morte de Eloá

Lindemberg Alves ficou chocado com a morte da ex-namorada Eloá Cristina Pimentel, segundo seus advogados, Ana Lúcia Assad e Edson Pereira. Eles estiveram ontem na Penitenciária José Augusto César Salgado, onde o jovem está preso desde segunda-feira. "Ele ficou muito triste, muito emocionado, chocado com a morte de Eloá", disse Ana Lúcia, com a voz embargada e de óculos escuros. Os advogados ficaram quatro horas na penitenciária conversando com a direção do presídio e com Alves, separadamente. "Ele está bem, está calmo, sereno, tranqüilo e aproveitou para mandar um recado para a mãe dele." Alves pediu à advogada para que ela diga à sua mãe, Maria de Lourdes, que ele a ama e ama a sua família. Desde que chegou à penitenciária, ele permanece isolado em uma cela pequena, faz refeições sem sair do local e não tem direito a banho de sol nem contato com outros presos. Ali há 345 detentos, como juízes, funcionários públicos, ex-policiais militares e outros, como Alexandre Nardoni, Marcos Valério e os irmãos Cravinhos. Alves ainda vai passar, na próxima semana, por exames específicos, com clínico geral e psiquiatra. A advogada não quis comentar sobre os tiros disparados pelo cliente. Além da acusação de matar Eloá, ele deve responder por duas tentativas de homicídio. "Não podemos dizer mais nada, por favor", pediu a advogada, depois de cinco minutos de conversa com a imprensa. A defesa do jovem também está indignada por ter sido proibida de presenciar o depoimento de Nayara, amiga de Eloá, em São Paulo. "Foi algo totalmente desagradável, que não deve se repetir jamais. Nós fomos impedidos de subir ao andar onde estava acontecendo a oitiva de Nayara", afirmou. "A defesa ficou indignada com essa postura, que acreditamos ser a última vez, e que a polícia e o Ministério Público não vão corroborar isso." Antes de partir para São Paulo, Ana Lúcia justificou os motivos da transferência de Alves para o interior. "Ele estava correndo sério risco. Aqui é para manter sua integridade física e sua segurança."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.