Alvo de resgate era quadrilha de Beira-Mar, diz delegado

O delegado da Coordenação de Operações e Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil, Marcos Reimão, disse hoje que o objetivo dos bandidos que libertaram 14 presos da carceragem da Polinter, na zona portuária do Rio, hoje de madrugada, era resgatar cinco traficantes da quadrilha de Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. Eles estavam em celas separadas e não conseguiram fugir.Os criminosos jogaram duas carretas contra uma parede, que se abriu. O barulho fez tremer todo o prédio, conforme contou Marcos Reimão. Havia 17 detentos na cela - três não escaparam. Dos fugitivos, nenhum foi recapturado. Reimão informou que a polícia já havia iniciado obras para reforçar a parede.A cúpula da Segurança Pública do Rio não está no Estado. O secretário Josias Quintal e o chefe da Polícia Civil, delegado Álvaro Lins, estão participando de um seminário no Canadá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.