Ambientalista vê risco na duplicação da Rodovia Rio-Santos

Projeto prevê ampliação entre Bertioga e Riviera de São Lourenço e entre Ubatuba e Caraguatatuba; governo fará estudo de impacto

Edgar Maciel, O Estado de S. Paulo

14 de novembro de 2014 | 03h00

Uma das principais rodovias do Estado, e constantemente congestionada no verão, a SP-55, conhecida como Rio-Santos, será duplicada em dois trechos a partir de 2016. Contemplada no pacote de investimentos captados pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a rodovia que liga cidades do litoral norte paulista vai receber R$ 300 milhões em recursos.

A obra, no entanto, promete ser polêmica, porque há possibilidade de desmatamento em áreas de preservação ambiental. Os projetos ainda estão em desenvolvimento e devem ser finalizados até o fim de dezembro. O governo estadual prevê três lotes de obras, que devem ser concluídos em meados de 2017 com o objetivo de desafogar o trânsito. Um dos trechos fica entre as praias de Caraguatatuba e Ubatuba, onde os motoristas chegam a perder mais de duas horas no trânsito.

A rodovia, administrada pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER), será duplicada entre os quilômetros 53,6 e 102, 3, com um investimento de R$ 82,8 milhões. O prazo para a finalização do projeto é de 18 meses.

Neste trecho, a média diária de veículos chegou a pouco mais de 10 mil em 2013. Durante o verão, o volume dobra, de acordo com o DER. Morador de São Paulo, o engenheiro Jorge Duarte, de 32 anos, já levou seis horas para percorrer o trajeto entre Caraguatatuba e Ubatuba. “Ir a Ubatuba no fim de ano é uma experiência de paciência. Duplicar esse trecho com certeza vai me fazer ir mais à praia durante o verão”, disse.

Entre Bertioga e Santos, na Baixada Santista, serão duplicados 36,8 quilômetros, orçados em R$ 62,6 milhões. A ampliação da pista deve ser concluída em 15 meses. No trecho seguinte, entre Bertioga e São Sebastião, haverá recapeamento da pista do km 102,3 ao km 211,5, que custará R$ 95,3 milhões, com prazo de um ano e meio para a conclusão. A região tem pista simples e também é um dos gargalos para chegar às praias do litoral norte. 

Moradora de Bertioga, a administradora Cintia Carina Lara, de 34 anos, trabalha em Riviera de São Lourenço. Fora da alta temporada, ela faz o percurso de carro entre os dois balneários em 15 minutos, mas no verão abandona o automóvel e tira a bicicleta da garagem. “Chega dezembro e fica impossível ir de carro. Essa pista simples prejudica muito a região. Prefiro ir de bicicleta a ficar presa no congestionamento.”

Desmatamento. Um dos impactos dos futuros trechos duplicados da Rio-Santos deve ser o desmatamento da Mata Atlântica. O litoral paulista concentra uma das maiores reservas do bioma no País. Durante a construção da Rodovia Tamoios (SP-099), por exemplo, que serve como alternativa à Rio-Santos, foram desmatados mais de 370 mil metros quadrados de mata - área equivalente à dos Parques da Independência e da Aclimação, ambos na zona sul da capital, juntos.

A diretora executiva da Fundação SOS Mata Atlântica, Marcia Hirota, vê riscos de prejuízos para a floresta. “O litoral tem a joia da Mata Atlântica, com uma área totalmente conservada. Uma intervenção naquela região pode causar impactos à fauna e à flora do bioma”, explicou. “Precisa haver uma grande discussão nesses projetos para que não haja a destruição do restante do nosso patrimônio ambiental.”

Segundo o governo, um estudo técnico foi contratado para calcular o impacto ambiental das obras e possíveis alterações nos projetos.

Prefeituras querem atrair mais turistas com ampliação

Pedido recorrente entre os prefeitos das cidades do litoral norte, o anúncio da ampliação da SP-55 criou um clima de otimismo na região. Com a duplicação de dois trechos da rodovia, a intenção é atrair mais veranistas para as praias. 

Segundo a prefeitura de Caraguatatuba, mais de 300 mil turistas vão ao balneário anualmente. A previsão é que, a partir de 2017 - com as obras concluídas -, esse número cresça em pelo menos 50%. “O litoral norte não pode ser penalizado porque está em uma área de preservação. Precisamos de infraestrutura e esse projeto vai colaborar para o desenvolvimento da cidade”, disse o prefeito Antônio Carlos da Silva (PSDB). 

Em Bertioga, a ampliação da Rio-Santos também vai ajudar o fluxo urbano da cidade, que é dividida pela rodovia. “Nós estamos investindo em obras marginais para os acessos do trânsito interno. O governo do Estado se comprometeu em fazer a ligação dessas duas obras, o que vai ajudar no nosso crescimento”, explicou. De acordo com o município, o projeto prevê a construção de viadutos que separem o fluxo da SP-55 das vias municipais.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio-Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.