Ambiguidade é marca dos pré-candidatos

A ambiguidade parece ser a marca registrada das posições dos pré-candidatos em relação ao Banco Central. O BC, na verdade, ocupa uma posição curiosa no imaginário dos políticos e da maior parte da população. Por um lado, trata-se de um grupo de tecnocratas sisudos, dominado pelo mercado financeiro, e responsável direto pelas altíssimas taxas de juros nacionais. Obcecado com a inflação, o BC mostra-se frio e distante em relação ao drama do desemprego, e não pode ver crescimento sem pisar no freio.

Análise: Fernando Dantas, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2010 | 00h00

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif 'Banco Central não é Santa Sé', diz Serra

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif 'Autonomia é inquestionável', reage Dilma

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Marina defende independência do BC

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Meirelles: 'BC não participa de debate eleitoral'

Por outro lado, o BC é responsável por manter a inflação em níveis civilizados há mais de uma década, garantindo o espetacular aumento recente do poder de compra dos mais pobres. Além disso, seria preciso muita má-fé para negar o prestígio e a confiança internacional trazidos pela atuação do BC brasileiro.

Diante dessa dicotomia, os candidatos dedicam-se, em graus variados, a um curioso exercício de morde e assopra quando o tema é o BC.

Serra, como era de se esperar, é o que mais morde. É claro, como ele diz, que o BC erra, mas uma "autonomia dentro de certos parâmetros", que inclua se deixar influenciar pela "proximidade" com o Executivo não é, definitivamente, autonomia operacional de verdade. Nesta, o BC persegue, sem se submeter à opinião de ninguém, metas de inflação definidas pelo governo.

Dilma, por sua vez, definiu como "importantíssima" a autonomia do BC no governo Lula, mas, em entrevista a Isto É, disse que, até o final do governo dela, "nós" (Executivo e BC) terão condições de olhar simultaneamente a inflação e o emprego. A implicação parece ser a de que hoje o BC sacrifica o emprego no altar do combate à inflação, e que algo será feito em relação a isto. Embora Dilma, taticamente, tenha optado por assoprar no momento, nota-se que os dentes estão lá, preparados para a eventual mordida.

Marina defendeu enfaticamente a independência "não-institucional" do BC. Ora, se é tão bom assim, por que não a fazer por lei? É que 0políticos e sociedade ainda mantêm em relação ao BC uma mistura de suspeição e respeito.

É JORNALISTA DO ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.