Ambulante do ônibus 499 sempre foi violento, diz ex-sogra

O ambulante responsável pelo seqüestro do ônibus 499, André Ribeiro, sempre foi violento, segundo afirmou a mãe de Cristina Ribeiro, ex-mulher do homem preso na sexta-feira.Aos prantos, dona Eunícia contou neste sábado que Ribeiro já havia ameaçado sua filha de morte antes. "Quando ela dizia que queria se separar, ele falava: `se você fizer isso, vou matar você e sua mãe´", disse a senhora, que, além de ex-sogra, é também tia de André. Ela e a mãe dele, Nair, são irmãs (André e Cristina são primos de primeiro grau). Dona Eunícia revelou que a filha apanhou tanto dentro do 499 que teve o maxilar quebrado. Ficou ainda com hematomas e sente fortíssima dor de cabeça.Segundo dona Eunícia, dona-de-casa de 62 anos que mora em Austin, na Baixada Fluminense, junto com Cristina e a outra filha, Regina, a família achou melhor retirar a moça da casa, para que ela possa descansar e tentar superar o trauma. Cristina foi levada para a casa de outros parentes, onde deve ficar por alguns dias. "Ela está muito nervosa e teve que ser sedada", justificou. A senhora lamentou que o episódio tenha acontecido dois dias antes do aniversário do caçula de Cristina, que completa três anos neste domingo. A festinha que estava planejada foi suspensa, uma vez que a mãe está em frangalhos e o pai está preso.Regina confirmou que o relacionamento da irmã com André Ribeiro era mesmo difícil. Quando o casal estava em casa, com os três filhos, tudo ia bem. Mas bastava Cristina sair, mesmo que fosse para trabalhar, para que o marido tivesse crises de ciúme. "Ele sempre foi estranho. Desde pequeno, era muito calado e, ao mesmo tempo, nervoso, agressivo", lembrou. TensãoA desconfiança era tamanha, segundo Regina, que, depois da separação, Ribeiro passou a observar a ex chegar do trabalho, perto de sua casa, para verificar seus horários. O vigia Nivaldo Dutra Viana, de 49 anos, sobrinho de Cristina, disse que toda a família ficou abalada. "Eu não vou jogar pedra nele. Também já passei por uma separação, sei a dor que dá. Mas ele não podia ter feito isso." Viana não acredita que Cristina tenha traído o marido. "Ela vivia para ele e para os filhos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.