Ameaça de ''máfia da merenda'' a promotor faz MP criar força-tarefa

Hélio Daldegan estaria sendo intimidado por conta das investigações de suposto esquema de propina em Porto Ferreira

Marcelo Godoy e Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2011 | 00h00

O Ministério Público Estadual (MPE) criou força-tarefa para investigar ameaças a um de seus integrantes por causa das investigações sobre a máfia da merenda. O promotor Hélio Daldegan, de Porto Ferreira (SP), estaria sofrendo intimidações. A cidade é administrada pelo petista Maurício Rasi.

"Em 2009, o Ministério Público solicitou e a prefeitura entregou as cópias dos contratos. Eles foram aprovados pelo Tribunal de Contas do Estado, que atestou não só a legalidade como também a qualidade do serviço", disse o diretor de gestão da cidade, Haroldo Christensen. Porto Ferreira é uma das 34 cidades paulistas citadas pelo empresário Genivaldo Marques dos Santos em delação premiada. Ele diz que eram pagos 10% do valor do contrato como propina.

Em Cotia, a propina seria de 16% sobre o faturamento mensal da SP Alimentação. O dinheiro, segundo Santos, ia para o então prefeito Joaquim Horácio Pedroso Neto (PDT), o Quinzinho. Os pagamentos seriam feitos por dois funcionários do grupo, sempre de acordo com o valor das notas fiscais dos serviços prestados à prefeitura. Além disso, os valores da medição mensal eram inflados em até R$ 20 mil. A Prefeitura de Cotia não se manifestou. O Estado não localizou Quinzinho.

No litoral norte paulista, Santos contou que o empresário Eloizo Durães, da SP Alimentação, teria autorizado o pagamento de R$ 20 mil de propina para José Pereira Aguilar, então prefeito de Caraguatatuba. Os valores dos pagamentos da prestação de serviço seriam superfaturados. A prefeitura informou que não mantém atualmente contratos com fornecedores de merenda. O contrato que existia foi feito pela administração anterior e encerrado em 2009. O ex-prefeito Aguilar (sem partido) afirmou não saber quem são os donos das empresas de merenda. Segundo ele, quem cuidava do contrato em sua gestão era a Secretaria de Administração. Disse que a citação a seu nome é "absurda".

No Guarujá, Durães teria apoiado a eleição de Farid Madi (PDT). A chamada máfia da merenda pagava 13% de propina na cidade, segundo Santos. Farid afirmou desconhecer Santos ou a Verdurama - em nota, a Verdurama negou pertencer à empresa SP Alimentação.

Faturamento extra

34 cidades

de São Paulo estão na lista de Genivaldo Marques dos Santos

16%

seria o valor da propina em Cotia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.