''América Latina não criou leis para proteger liberdade de imprensa''

Carlos Lauria, COORDENADOR PARA A AMÉRICA LATINA DO COMITÊ DE PROTEÇÃO A JORNALISTAS

, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2011 | 00h00

A que o sr. atribui o crescimento da censura no continente?

Apesar da democratização, em três décadas a América Latina não criou as reformas legais suficientes para proteger a liberdade de imprensa. E sistemas jurídicos insuficientes estimulam certas autoridades a pressionar.

O relatório também faz muitas referências à autocensura.

Sim, ela se tornou um fenômeno central. No México, em Honduras, na Colômbia, a falta de garantias e as ameaças diretas levam o jornalista a desistir de levar pautas adiante. Censura e autocensura juntas estão no nível mais alto que se viu desde o fim das ditaduras nas Américas.

O cenário no Brasil é parecido?

O problema mais sério do Brasil está na primeira instância. Muitos juízes de pequenas cidades são pressionados. A desproteção de jornalistas em áreas distantes é preocupante. Mas há também o caso espantoso do Estado, cujo problema está num tribunal superior.

Que agenda o sr. vai levar para os contatos em Brasília?

Estarei lá amanhã, com autoridades do governo e no STF. É natural que nesses contatos se discuta e se procure saber como encaram esses desafios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.