Americana quer paralisar obras de pedágio

A prefeitura de Americana, a 140 quilômetros de São Paulo, entrou com uma ação na Justiça contra a concessionária AutoBan, por causa da construção de uma praça de pedágio no trevo de saída para o município de Nova Odessa, na altura do quilômetro 119 da rodovia Anhangüera. O local é utilizado como rota de desvio do pedágio existente na rodovia, distante cerca de 500 metros dali. O prefeito de Americana, Waldemar Tebaldi (PDT), quer a paralisação imediata da obra.O prefeito alega que o pedágio em construção, apesar de ficar no município vizinho, é a única alça de acesso a 15 bairros da região Praia Azul, que pertence a Americana. "Mais de 20 mil moradores serão prejudicados com a cobrança da tarifa", disse Tebaldi.A assessoria jurídica do prefeito entende também que a cobrança é irregular e fere as normas de concessão, pois os moradores daquela região estariam pagando duas vezes pelo pedágio no mesmo trecho da rodovia.Prefeitos e representantes dos 19 municípios da Região Metropolitana de Campinas estiveram reunidos hoje em Sumaré para discutir outro pedágio, que fica na divisa entre Sumaré e Nova Odessa, construído pela concessionária, mas que ainda não entrou em operação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.