Anac confirma colisão de jato da Embraer com boeing da Gol

A diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu, informou na noite deste domingo, 1º, que as primeiras avaliações do que está gravado nas caixas-pretas do jato Legacy, da Embraer, é a de que houve uma colisão com o Boeing 737-800 da Gol que caiu na selva amazônica na sexta-feira, 29, com 155 pessoas a bordo. Durante a entrevista coletiva, realizada no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, Denise evitou responder as perguntas sobre resultado das operações de resgate das vítimas do acidente Ela disse que não poderia dar informações sobre isso antes de conversar com os parentes e familiares das vítimas. A uma pergunta sobre se algum corpo já havia sido resgatado, Denise Abreu disse que isso era um "detalhe macabro" e completou: "Isso é uma questão técnica. Depende do que você considera um corpo", afirmou, referindo-se ao fato de que os corpos das vítimas, segundo as notícias veiculadas até agora, teriam sido mutilados. Denise Abreu disse também que, do ponto de vista técnico, "é basicamente impossível se afirmar que exista sobrevivente." Ela acrescentou que, somente porque as autoridades contam com um milagre, um laudo técnico não foi divulgado até o momento com a afirmação de que não existem sobreviventes.famíliasA diretora iniciou a entrevista coletiva fazendo um pronunciamento dirigido aos parentes das vítimas. Denise disse que a Anac produzirá diariamente, para os parentes, dois boletins com informações sobre as operações de busca e resgate no local do acidente, na divisa entre Mato Grosso e Pará. Esses boletins, segundo a diretora, serão divulgados com o objetivo de acalmar os parentes e familiares, que reclamam de falta de informações. Ao final da coletiva, um pequeno grupo de pessoas se postou à porta da sala gritando: "Queremos informação!" Matéria atualizada às 19h08 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.