Anac e Infraero já montam esquema antiapagão na Páscoa

Para se precaver contra um possível apagão aéreo no feriado da Páscoa, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) já começaram a elaborar um plano de emergência. A idéia é adotar esquema semelhante ao implementado no réveillon e durante o carnaval, quando também havia temor de atrasos e cancelamentos de vôos nos principais aeroportos do País.Já na próxima semana, técnicos da Anac devem começar a fiscalizar as centrais de reserva das companhias aéreas para coibir a prática de overbooking (venda de passagens em número superior à lotação dos aviões). ?Queremos evitar que a situação do Natal se repita?, disse um funcionário da Anac, referindo-se ao overbooking praticado pela TAM, que provocou um colapso nos aeroportos do País.A agência também estuda solicitar às empresas que mantenham aeronaves reservas, a exemplo do que já havia feito no réveillon. Já a Infraero, estatal que administra os aeroportos, informou que manterá funcionários em regime de plantão e pedirá às Polícias Civil, Militar e Federal que deixem homens de sobreaviso para eventuais tumultos nos terminais de embarque.?Se não houver nenhum problema no controle de vôo, o que tem acontecido com uma certa freqüência, teremos um feriado tranqüilo?, prevê o presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira. Ele lembra que, ao contrário do que se observa durante o carnaval, tanto a saída quanto o retorno dos passageiros ocorre em período determinado do feriado de Páscoa. ?Temos de ficar atentos a esse detalhe e fazer um planejamento detalhado para evitar congestionamentos nos maiores aeroportos?, advertiu.Últimos atrasosNesta sexta-feira, 23, segundo boletim divulgado pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), o porcentual de vôos com atrasos superiores a uma hora, até às 10h05, ficou em 10,7% do total.De acordo com matéria publica pelo Estado na quinta-feira, 22, o atraso médio em vôos do País bateram recorde em 2006. A conclusão foi tomada depois de um estudo feito pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A agência confirmou que pousos e decolagens operados por companhias nacionais e estrangeiras atrasaram, em média, uma hora e 13 minutos em 2006, ante os 53 minutos registrados em 2005.Confira a média ano a ano, a partir de 2000:2000: Média de 52 minutos de atrasos, para um total de 4.077 vôos, segundo a Anac; 2001: Média de 54 minutos de atraso, para um total de 3.219 pousos e decolagens;2002: Média de 55 minutos de atraso, para um total de 2.793 pousos e decolagens;2003: Média de 1h04 de atraso, para 2.811 operações;2004: Média de 1h10 de atraso, para 2.120 operações;2005: Média de 53 minutos de atraso, para 2.560 vôos;2006: Média de 1h13 de atraso, para 3.060 operações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.