Anac estende horário de fechamento de Congonhas

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou temporariamente o Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, a operar pousos e decolagens até à 1h30 da madrugada, como uma forma de desafogar o grande fluxo de partidas e os atrasos constantes de vôos. O aeroporto tem restrição para operações a partir das 23 horas. A medida terá duração máxima de 30 dias, mas poderá ser revertida a qualquer momento se a situação de caos nos aeroportos se encerrar antes. O presidente da Anac, Milton Zuanazzi, informou que o horário estendido não poderá ser usado por vôos charters ou aviões particulares, mas apenas pelos vôos comerciais. O aeroporto de Congonhas começa suas operações às 5h da manhã e, se limitam às 23h, por causa do barulho dos aviões que incomoda os moradores dos bairros próximos. O objetivo da liberação temporária de horário é reduzir os transtornos causados pelos atrasos dos vôos. Na última semana, a agência reguladora identificou que vários vôos que partem de Congonhas, entre 21h e 22h, estavam sendo adiados para o dia seguinte por causa dos atrasos médios de uma hora em todos os aeroportos e que se refletem por causa das conexões. "Com isso, possibilitamos ao comando da Aeronáutica fazer o espaçamento dos horários de decolagem mantendo o mesmo volume de vôos que se tem partindo de Congonhas. Isso vai facilitar muito a vida dos passageiros", afirmou Zuanazzi. Ele informou que Congonhas é hoje responsável por 16% do tráfego aéreo brasileiro. O aeroporto é o principal centro de conexões e partidas de vôos das companhias aéreas devido às estratégias comerciais de melhor aproveitamento das aeronaves. Segundo Zuanazzi, a Infraero, o Departamento de Controle de Tráfego Aéreo (Decea) da Aeronáutica e as empresas foram comunicadas ontem mesmo da decisão da Anac e já estavam se organizando para começar a operar no novo horário. Além dessa medida, Zuanazzi revelou que as companhias aéreas estudam uma melhor distribuição de horários de vôos ao longo do dia para tentar diminuir a concentração de operações no início da manhã e no início da noite. Ele reconheceu que o grande número de vôos nesses períodos do dia se deve, muitas vezes, às demandas dos passageiros. "Há destinos que, certamente, não poderão perder esses horários, mas há outros que podem", comentou. O reordenamento de ofertas de vôos no dia é uma medida de médio prazo para ser implementada, disse Zuanazzi, porque as companhias não têm uma data limite para apresentação dos estudos à Anac. O presidente da agência aproveitou para rebater as críticas do Sindicato Nacional dos Trabalhadores em Proteção aos Vôos sobre autorizações excessivas de novas rotas pela Anac sem o devido acompanhamento na modernização e ampliação da estrutura do sistema de controle aéreo. "A Anac nunca autorizou uma rota sem antes consultar a Aeronáutica e estamos seguros disso", afirmou. Matéria ampliada às 20h25

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.