Anac põe fiscal em cabine de vôo para reduzir atrasos

Inspetores da agência acompanharão vôos das principais companhias; meta é reduzir atrasos de mais de 1 hora

Paulo R. Zulino, estadao.com.br

16 de janeiro de 2008 | 11h30

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) anunciou nesta quarta-feira, 16, que pretende colocar fiscais dentro da cabine dos aviões para reduzir o número de vôos atrasados. A medida faz parte da operação Hora Certa, que visa a reduzir os atrasos de mais de uma hora nos vôos domésticos no País até o mês de julho. Segundo a agência, a operação será realizada nos próximos dias. Veja também:Infraero critica pesquisa americana de aeroportosAeroportos brasileiros são campeões de atrasos, diz revista Inspetores de aeronavegabilidade e de operações da agência acompanharão vôos das quatro principais companhias, dentro da cabine dos aviões. Em todos os casos, serão checados os procedimentos operacionais das equipes e tripulações e também a manutenção e o correto funcionamento dos equipamentos das companhias em terra e no ar.  Os vôos serão inspecionados por amostragem, sem conhecimento prévio da empresa aérea. Segundo a Anac, a companhia mais fiscalizada será a Ocean Air, devido ao seu alto índice de atrasos e cancelamentos de vôos. Em dezembro de 2007, de acordo com dados da agência, a Ocean Air teve o pior Índice de pontualidade entre as quatro maiores companhias aéreas do País. Além disso, segundo dados da Infraero, nas duas primeiras semanas de janeiro, a empresa vem mantendo uma média diária de mais de 40% de vôos com atrasos de mais de uma hora, índice bem acima do das demais companhias aéreas.  Durante a Operação Hora Certa, pelo menos 40% da frota da Ocean Air terão inspetores da Anac a bordo. Para as empresas TAM, Gol e Varig, o número de aeronaves com inspetores acompanhando os vôos será de no mínimo 20%. A expectativa da agência é de que os primeiros efeitos positivos já sejam sentidos nos vôos durante o período de carnaval.

Tudo o que sabemos sobre:
aviaçãoAnacatrasoscaos aéreo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.