Anac proíbe transporte de líquidos em vôos internacionais

A partir de 1º de abril será proibido o transporte de líquidos acima de 90 ml em bagagem de mão em vôos internacionais. A informação é do diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi. Segundo ele, a Anac baixou nesta sexta-feira, 2, uma portaria com essa determinação.Entre os produtos proibidos estão géis, pastas, cremes e aerossóis. As exceções serão para situações de emergência, como remédios com receita médica e mamadeiras, entre outras, que poderão ser encontradas no site da agência reguladora a partir da próxima segunda-feira, 5.Segundo Zuanazzi já havia um entendimento no âmbito da Organização da Aviação Civil Internacional de que todos os países adotassem esta restrição em vôos internacionais no máximo até 2008. "Resolvemos antecipar. Não podemos nos esquecer que este ano temos os jogos Pan-Americanos. A medida visa a segurança dos passageiros contra possíveis atentados", disse. Ele considerou que essa proibição já está sendo implantada no mundo inteiro paulatinamente. De acordo com Zuanazzi, Canadá e EUA, já efetuam esta proibição.Ele não descartou que essa medida possa ser adotada para vôos nacionais. "Mas eu acho difícil. O Brasil não é um país que tem problemas com terrorismo aéreo", disse.De acordo com ele, a Infraero estará preparada para efetuar medidas que obedeçam a esta proibição, bem como as empresas. "Para os vôos destinados aos Estados Unidos já temos uma operação de revista diferenciada (com os passageiros brasileiros) para obedecer as exigências norte-americanas". O Brasil, segundo Zuanazzi, será o primeiro país na América do Sul a adotar estas medidas nos vôos internacionais.Tráfego aéreoO cenário atual de controle de tráfego aéreo está "muito bom" na avaliação do diretor da Anac. "Está bem melhor do que estava no dia do acidente da Gol, em 29 de setembro", disse o executivo. Na avaliação dele, foi um "carnaval bem tranqüilo" para os aeroportos e mesmo com uma grande movimentação de pessoas o controle de tráfego aéreo se saiu bem.Ele preferiu não responder se serão formadas novas turmas de controladores de tráfego aéreo para se evitar a falta de mão de obra no setor - o que pode prejudicar o trabalho dos aeroportos. "A resposta para isso é com a Aeronáutica e eles estão discutindo isso tudo, mas, evidentemente, o que se pretende é que nunca mais se falte controladores", disse.Quando questionado sobre a sua previsão para a movimentação dos aeroportos nos próximos feriados, ele informou que a intenção da Anac é montar operações "atentas a qualquer problema que possa ocorrer" em épocas sazonais de grande movimentação de passageiros. "Podemos não estar no ideal, mas estamos em uma situação muito boa", disse.Zuanazzi deu essas afirmações durante a posse do gerente regional da 3ª Gerência de Aviação Civil, Enzo Schiavi Filho, no Aeroporto de Jacarepaguá, zona oeste do Rio de Janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.