JEFF PACHOUD/AFP
JEFF PACHOUD/AFP

Anac recomenda que cabine de avião tenha sempre duas pessoas

Recomendação é uma reposta ao acidente da Germanwings, em que um dos pilotos trancou-se na cabine sozinho

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

31 Março 2015 | 19h14

Atualizada às 22h22

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) anunciou nesta terça-feira, 31, uma medida de reforço na segurança dos voos internacionais e nacionais ao recomendar às companhias aéreas brasileiras que pelo menos duas pessoas permaneçam sempre na cabine de comando do avião.

A recomendação é uma resposta ao acidente com a aeronave da empresa alemã Germanwings no dia 24 de março, que caiu na região dos Alpes Franceses. De acordo com áudios da caixa-preta, o copiloto se trancou na cabine sozinho, impediu que o piloto voltasse e iniciou um procedimento de descida que fez o avião bater nas montanhas, culminando na morte de 150 pessoas.

Segundo a Anac, apenas quem for autorizado poderá permanecer na cabine, sendo uma delas um piloto. “Essa recomendação está em consonância com a de outras autoridades reguladoras da aviação civil do mundo, com base nas informações atualmente disponíveis sobre o acidente com o voo 4U9525.”

A agência também ressaltou que essa recomendação poderá ser revista “em função de sua execução ou de novas informações sobre o acidente”. Nenhuma sanção às empresas que não cumprirem a recomendação poderá ser dada por ora. Companhias da Europa e da Oceania, além da Agência Europeia de Segurança Aérea (Easa), anunciaram a mesma medida após a tragédia na França.

Prevenção. O especialista em segurança de voo Carlos Camacho explicou que, embora ainda não possam ser aplicadas multas, a recomendação tem o valor de uma norma. “Normalmente, quando a Anac veicula uma recomendação, ela quer dizer: é uma determinação, uma resolução”, disse. “Mas a Anac não quer criar nenhum conflito agora com as empresas aéreas, porque é um momento cru ainda, as investigações estão muito incipientes.”

Para o especialista, a providência é positiva. “A medida só vem somar, no quesito prevenção, algo que facilita bastante o trabalho dos pilotos na cabine.”

A TAM é a única aérea brasileira que já adota o procedimento. “Por política interna, é obrigatória em todos os voos a presença de um comissário na cabine de comando sempre que um dos pilotos precisa se ausentar do local.” A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), que engloba TAM, Gol, Azul e Avianca, informou que “as associadas deverão promover a adequação à recomendação da forma mais breve possível.”

" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

Mais conteúdo sobre:
AnacGermanwingsacidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.