Anac reduz número de vôos no Aeroporto de Congonhas

O número de pousos e decolagens em Congonhas, na zona sul da capital paulista, foi reduzido de 48 para 38 por hora, segundo anunciou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) na segunda-feira, 9. Além disso, segundo nota da Anac, a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) deve instalar mais aparelhos de raios X, redistribuição de balcões de check-in, aumento do número de funcionários de apoio e ônibus para melhorar o acesso da aviação geral à pista auxiliar de Congonhas. A redistribuição dos balcões foi sugerida pelas empresas aéreas, na semana passada, como uma das soluções para a crise aérea. Segundo a Assessoria de Imprensa da Anac, com a operação implantada em 29 de junho - logo após a entrega das obras da pista principal de Congonhas -, os vôos comerciais passam a ter 38 movimentos por hora ao longo do dia, e a aviação geral (jatos executivos), seis, totalizando 44 vôos. Já no horário de pico, são 40 pousos e decolagens para as companhias aéreas e quatro para as da aviação geral, somando 44 movimentos por hora. Segundo a nota da Anac, 134 vôos comerciais tiveram seus horários alterados. A aviação geral teve o número de movimentos reduzidos. Para o vice-presidente da Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), Adalberto Febeliano, o setor foi prejudicado. "Lamento a decisão. A Abag se sente traída pela Anac, pois a promessa era de que depois da reforma teríamos de volta os 20% de movimentos por hora." Texto alterado às 8h41 para acréscimo de informações.

10 Julho 2007 | 08h45

Mais conteúdo sobre:
crise aérea Anac Congonhas Infraero

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.