Anac vê problemas em 175 aeroportos

Ajustes terão de ser feitos em até 180 dias; não há riscos para vôos

Isabel Sobral, O Estadao de S.Paulo

29 de março de 2008 | 00h00

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) identificou 175 aeroportos brasileiros de pequeno e médio portes com irregularidades que podem comprometer a segurança de operações e a prevenção contra crimes. Ontem, o diretor da Anac Alexandre de Barros disse que as administrações dos aeroportos já foram notificadas - 75% deles são geridos por governos municipais ou estaduais. "Grande parte desses aeroportos se encontra em locais onde o transporte aéreo é fundamental para a sociedade", disse Barros. Por causa disso, a agência vai propor ao Congresso Nacional a composição de um grupo de trabalho, na próxima semana, para buscar soluções. O governo federal tem um programa de auxílio aos aeroportos, cujo orçamento anual gira em torno de R$ 100 milhões. As prioridades quanto ao uso da verba são definidas pelos governadores. "Desconfiamos que só esse montante de recursos do programa pode não ser suficiente para todas as obras que precisam ser feitas", adiantou Barros. Segundo o diretor, os recursos serão destinados para eliminação de irregularidades que vão de simples - como cercas de proteção de pistas danificadas - a complexas - como falta de sinalização e equipamentos contra incêndio e pistas de pouso sem manutenção. Foram dados prazos de 60 a 180 dias para que as pendências sejam resolvidas, sob pena de restrição das operações. Barros disse que os problemas não representam "riscos iminentes" para as operações, mas alertou que precisam ser resolvidos porque podem piorar no futuro. Sem revelar os aeroportos com irregularidades, o diretor disse que a maior incidência de problemas em terminais com vôos regulares ocorre na Região Norte. Em relação a aeroportos com operações da aviação geral, as falhas concentram-se no Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.